Internacional Ex-oficiais dos EUA mantinham conversas secretas com russos, diz rede de notícias americana

Ex-oficiais dos EUA mantinham conversas secretas com russos, diz rede de notícias americana

A comunicação com figuras ligadas ao Kremlin, como o ministro das Relações Exteriores, girava em torno da guerra na Ucrânia

  • Internacional | Larissa Crippa*, do R7

Resumindo a Notícia
  • Ex-oficiais dos EUA realizavam conversas secretas com russos próximos ao Kremlin.

  • O objetivo dos diálogos era o possível fim da guerra na Ucrânia.

  • Negociação informal preocupa especialistas, já que a própria Ucrânia fica de fora da discussão.

Ex-oficiais de segurança nacional dos EUA tiveram conversas secretas com russos influentes

Ex-oficiais de segurança nacional dos EUA tiveram conversas secretas com russos influentes

Jonathan Drake/File Photo/Reuters

Um grupo de ex-oficiais de segurança nacional dos Estados Unidos mantiveram conversas secretas com russos influentes próximos ao Kremlin, incluindo o ministro das Relações Exteriores, Serguei Lavrov. O objetivo era estabelecer bases para negociações potenciais que visavam ao fim da guerra na Ucrânia.

Segundo o portal NBC News, em abril Lavrov se encontrou com membros do grupo por várias horas, em Nova York. Os assuntos discutidos incluíram questões delicadas da guerra na Ucrânia, como o destino de territórios ocupados pela Rússia que a Ucrânia pode não conseguir recuperar e a busca por uma saída diplomática que seja aceitável para ambas as partes.

Os ex-oficiais dos EUA envolvidos nas discussões, como Richard Haass e Charles Kupchan, discutiram a possibilidade de manter canais de comunicação abertos com a Rússia e explorar oportunidades futuras de negociação e diplomacia para encerrar a guerra.

As conversas foram conduzidas com o conhecimento da administração Biden, mas sem seu direcionamento. Os ex-oficiais informaram ao Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca sobre o ocorrido após a reunião com Lavrov.

Essas discussões são conhecidas como "diplomacia Track Two" ou "Track 1.5". Elas envolvem cidadãos comuns, que não fazem parte do governo atualmente, mas contam também com a participação de oficiais atuais.

Essas conversas informais têm gerado controvérsia. Alguns especialistas em política externa e diplomatas americanos estão preocupados com a falta de representação direta da Ucrânia nas negociações e argumentam que o futuro do país não deve ser decidido por acordos entre grandes potências nos bastidores. Acredita-se também que a presença de intermediários possa enfraquecer a posição da Ucrânia nas negociações.

As discussões ocorrem em um momento em que os Estados Unidos e seus aliados estão pressionando Moscou e Kiev pela retomada das negociações de paz, após o término da ofensiva militar em curso na Ucrânia. O diretor da CIA, William Burns, visitou recentemente a capital ucraniana e conversou com autoridades do país sobre a perspectiva de iniciar as negociações de paz até o fim do ano.

*Sob supervisão de Sofia Pilagallo

Rússia acha armas, ouro, perucas e foto de cabeças decepadas em mansão de líder mercenário

Últimas