Internacional Israel e Marrocos fecham acordos em visita considera histórica

Israel e Marrocos fecham acordos em visita considera histórica

Chanceleres se reuniram em Rabat pela 1ª vez desde a retomada das relações entre os dois países há 7 meses

AFP
Ministro das Relações Exteriores de Israel, Yair Lapid, e o homólogo marroquino Naser Borita

Ministro das Relações Exteriores de Israel, Yair Lapid, e o homólogo marroquino Naser Borita

FADEL SENNA / AFP

O ministro das Relações Exteriores de Israel, Yair Lapid, chegou ao Marrocos na quarta-feira (11), em sua primeira visita oficial ao país, sete meses depois da normalização das relações entre Rabat e o Estado hebreu, que selaram acordos.

Chanceler israelense inicia histórica visita ao Marrocos

Esses acordos em áreas como cooperação política, aviação, cultura e esportes "trarão inovação aos nossos países para o benefício de nossas crianças", disse o ministro das Relações Exteriores de Israel, Yair Lapid. 

o chanceler israelense, que encontrou seu homólogo marroquino Naser Borita, celebrou "o restabelecimento da paz e da amizade" impulsionado pela normalização das relações.

O Marrocos foi o quarto país árabe a estabelecer relações com Israel em 2020, graças à mediação dos Estados Unidos e em troca do reconhecimento americano de sua "soberania" sobre o disputado território do Saara Ocidental.

Durante esta visita qualificada de "histórica" por Lapid, ambas as partes fecharam dois acordos e um memorando de cooperação e estabeleceram mecanismos de consultas políticas.

Os dois países já assinaram acordos sobre água, aviação e finanças durante a primeira visita de uma delegação oficial israelense que chegou em dezembro de 2020 no primeiro voo direto entre Rabat e Tel Aviv.

Na reunião, o ministro marroquino destacou a necessidade de "retomar as negociações" no conflito israelense-palestino para "chegar a uma solução com base em dois Estados".

Lapid se limitou a apontar que a normalização das relações entre Israel e os países árabes prova que "algo está mudando na região".

Antes do encontro ministerial, a delegação israelense visitou o mausoléu real, onde estão enterrados os reis Hassan II e Mohamed V.

Nesta quinta-feira (12), Lapid deve inaugurar a representação diplomática israelense na capital do Marrocos.

Voos comerciais

A visita ocorre cerca de duas semanas depois que os primeiros voos comerciais diretos começaram a operar. 

A comunidade judaica do Marrocos é a maior do Norte da África (cerca de 3.000 pessoas). Os quase 700 mil israelenses de ascendência marroquina mantiveram laços muito fortes com seu país de origem.

Antes da pandemia da covid-19, entre 50 mil e 70 mil turistas israelenses, a maioria deles de origem marroquina, visitavam o reino anualmente. Para chegar, porém, precisavam transitar por terceiros países.

Ciberdefesa

Em julho passado, em Rabat, Marrocos e Israel também assinaram outro acordo, desta vez em matéria de ciberdefesa. O pacto engloba "cooperação operacional, pesquisa, desenvolvimento e troca de informações", informou a Direção Nacional de Cibersegurança israelense em seu perfil no Facebook.

Recentemente, o reino foi acusado de usar o software espião "Pegasus", desenvolvido pela empresa israelense NSO. Rabat negou, de forma categórica, "acusações falsas e infundadas" e iniciou ações judiciais. 

Os palestinos denunciaram, por sua vez, os acordos de normalização entre Israel e os países árabes, chamando-os de "traição". Até então, a solução do conflito palestino-israelense sempre foi considerada uma condição prévia para qualquer normalização das relações.

Depois de anunciar a retomada das relações bilaterais, o rei Mohamed VI assegurou ao presidente palestino, Mahmud Abbas, a continuidade do "compromisso permanente e sustentado do Marrocos com a justa causa palestina". 

De fato, no Marrocos, a causa palestina continua a mobilizar a sociedade civil, e alguns partidos islâmicos e de extrema esquerda se opõem à normalização das relações entre seu país e o Estado judeu. Para muitos, "esta visita é uma ofensa ao povo marroquino e uma traição aos palestinos".

Últimas