Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Itália prende Matteo Messina Denaro, mafioso mais procurado do país e foragido havia 30 anos

Suspeito comanda a quadrilha Cosa Nostra, especializada em tráfico de drogas, prostituição, extorsão e lavagem de dinheiro

Internacional|Do R7

Matteo Messina Denaro foi preso depois de fugir da polícia por mais de 30 anos
Matteo Messina Denaro foi preso depois de fugir da polícia por mais de 30 anos Matteo Messina Denaro foi preso depois de fugir da polícia por mais de 30 anos

O mafioso mais procurado da Itália, o siciliano Matteo Messina Denaro, foragido havia 30 anos, foi preso em Palermo, na Sicília, sul do país, de acordo com a imprensa italiana, nesta segunda-feira (16).

"Hoje, 16 de janeiro, os carabineiros [...] prenderam o fugitivo Matteo Messina Denaro dentro de um centro de saúde em Palermo, ao qual ele havia ido para terapia clínica", disse o general dos carabineiros, Pasquale Angelosanto, à agência de notícias AGI.

O "padrinho" da máfia estava na lista dos criminosos mais procurados do mundo como líder da poderosa organização criminosa Cosa Nostra, especializada em tráfico de drogas, prostituição, extorsão e lavagem de dinheiro. 

Leia também

O rosto do líder da máfia é quase desconhecido e é baseado em reconstruções feitas por meio de computadores.

Publicidade

Messina Denaro, de 60 anos, conhecido por sua extrema maldade, vangloriou-se de poder "encher um cemitério inteiro" com as suas vítimas, entre elas um adolescente, filho de um mafioso arrependido, a quem mandou dissolver em ácido. 

O "capo dos capos", como era chamado, substituiu Salvatore "La Bestia" Riina, capturado em 1993 e falecido em novembro de 2017. 

Publicidade

O líder da máfia siciliana também é suspeito de ordenar os atentados de 1993 em Roma, Milão e Florença, que mataram dez pessoas poucos meses depois que a Cosa Nostra assassinou os juízes antimáfia Giovanni Falcone e Paolo Borsellino em ataques semelhantes.

Sua prisão provocou inúmeras reações da classe política italiana, incluindo da primeira-ministra, Giorgia Meloni. 

"Uma grande vitória do Estado, que mostra que não devemos nos render à máfia", escreveu.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.