Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Justiça francesa revela nesta segunda (17) a sentença sobre o acidente do voo Rio-Paris

Acidente mais letal da aviação da França matou 228 pessoas, 58 delas eram passageiros brasileiros

Internacional|Do R7


Marinha brasileira, em 2009, durante o resgate dos destroços do avião da Air France
Marinha brasileira, em 2009, durante o resgate dos destroços do avião da Air France

Quase 14 anos após o acidente do voo Rio-Paris que provocou as mortes de 228 pessoas, em 2009, um tribunal de Paris anunciará sua decisão nesta segunda-feira (17) contra a Airbus e a Air France, processadas por homicídios culposos.

O tribunal deve iniciar a leitura da decisão a partir das 13h30 (8h30 de Brasília), que determinará se a fabricante europeia de aviões e a companhia aérea francesa cometeram crimes, ou não, relacionados com o acidente.

As duas empresas podem receber multas de 225.000 euros (1,14 milhão de reais, na cotação atual). Em 2022, durante o julgamento do caso, a Airbus negou responsabilidade pelo acidente.

- Áudio da cabine mostra desespero dos pilotos do avião antes da queda

Publicidade

Em 1º de junho de 2009, o voo AF447, que fazia a rota entre o Rio de Janeiro e Paris, caiu no meio da noite no Oceano Atlântico, algumas horas após a decolagem. Os 216 passageiros e 12 tripulantes a bordo morreram na tragédia.

Viajavam no A330 com registro F-GZCP pessoas de 33 nacionalidades: 61 franceses, 58 brasileiros e 28 alemães, além de italianos (9), espanhóis (2) e um argentino. Este foi o acidente mais letal da história da aviação comercial francesa.

Publicidade

LONGA INVESTIGAÇÃO

Após um processo longo, marcado por por opiniões conflitantes dos magistrados, a expectativa é intensa pelo veredicto. No final do processo, que aconteceu de 10 de outubro a 8 de dezembro, o Ministério Público pediu a absolvição das duas empresas, por considerar que é "impossível demonstrar" sua culpabilidade.

Esta foi uma requisição "que as partes civis não aceitaram, (pois) aponta exclusivamente contra os pilotos e a favor de duas multinacionais", criticou Danièle Lamy, presidente da associação Entraide et Solidarité AF447 (Cooperação e Solidariedade AF447), que representa os parentes das vítimas.

Em 2009, flores foram jogadas ao mar, em Pernambuco, em homenagem às vítimas do voo
Em 2009, flores foram jogadas ao mar, em Pernambuco, em homenagem às vítimas do voo

"O que nós esperamos, o que nós aguardamos, é que o tribunal, enfim, pronuncie uma decisão imparcial e condene a Airbus e a Air France, as culpadas das negligências e das infrações. É por isso que nós temos batalhado há praticamente 14 anos", declarou.

Durante todo o julgamento, os representantes da Airbus e da Air France alegaram que as empresas não cometeram nenhum crime. Os advogados pediram a absolvição, uma "decisão humanamente difícil, mas técnica e juridicamente justificada", segundo a direção da Airbus.

Os primeiros fragmentos do AF447, assim como os corpos, foram encontrados nos dias que se seguiram ao acidente. Mas o avião foi localizado apenas dois anos depois, após longas buscas, em meio ao relevo submarino, a 3.900 metros de profundidade.

As caixas-pretas confirmaram o ponto de partida do acidente: o congelamento das sondas de velocidade Pitot, enquanto o avião estava em voo de cruzeiro, em uma zona com condições meteorológicas adversas denominada Zona de Convergência Intertropical, perto do Equador.

Desestabilizado pelas consequências desta pane, um dos pilotos adotou uma trajetória ascendente e, sem compreender o que se passava, os três navegadores não conseguiram recuperar o controle da aeronave, que se precipitou e caiu no oceano apenas 4 minutos e 23 segundos depois.

As investigações demonstraram que incidentes similares com sondas se multiplicaram nos meses que antecederam o acidente. A Air France teria treinado e informado suficientemente suas tripulações? A Airbus teria subestimado a gravidade do problema e alertado as companhias de forma insuficiente?

Estas perguntas foram debatidas minuciosamente durante os dois meses do processo. O tribunal ouviu especialistas, policiais, pilotos, autoridades do controle de tráfego aéreo e parentes das vítimas.

Os juízes tentaram entender as reações da tripulação na cabine de comando, assim como o perigo, naquele momento, das diferentes sondas Pitot.

Depois da catástrofe, o modelo instalado da sonda que era usado na aeronave Airbus que fazia a rota AF447 foi substituído no mundo inteiro. A tragédia, que marcou a comunidade dos pilotos, levou a outras modificações técnicas e a uma formação reforçada sobre estol (perda de sustentação) e o estresse das tripulações

Embora os juízes de instrução tenham arquivado o caso em 2019, as famílias das vítimas e os sindicatos de pilotos apresentaram recurso e, em maio de 2021, a justiça determinou o julgamento das duas empresas homicídios culposos.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.