Maternidade no Afeganistão é atacada e 13 pessoas morreram

Autoridades dos ministérios do Interior e da Saúde disseram que mães, enfermeiras e crianças estão entre os mortos e feridos

Recém-nascidos estão entre vítimas do ataque em maternidade

Recém-nascidos estão entre vítimas do ataque em maternidade

Hedayatullah Amid /EFE/EPA 12.05.2020

Homens armados atacaram nesta terça-feira (12) um hospital da capital afegã, Cabul, onde a organização humanitária internacional MSF (Médicos Sem Fronteiras) administra uma maternidade. Morreram13 pessoas, incluindo dois bebês recém-nascidos, disseram autoridades.

Em outro ataque realizado no mesmo dia, um homem-bomba se explodiu durante o funeral de um comandante de polícia, ao qual compareceram autoridades do governo e um parlamentar, em Nangahar, uma província do leste, matando ao menos 24 pessoas e ferindo 68.

Leia mais: Atentado suicida deixa pelo menos 24 mortos no Afeganistão

Ninguém assumiu a autoria de nenhum ataque de imediato. O Taliban, que é a principal insurgência islâmica do Afeganistão e diz ter interrompido ataques em cidades contempladas por um acordo de retirada de tropas dos Estados Unidos, negou envolvimento em ambos.

O grupo militante Estado Islâmico opera em Nangahar e cometeu uma série de atentados de grande visibilidade em Cabul nos últimos meses. Na segunda-feira (12), forças de segurança prenderam seu líder regional na capital.

O porta-voz do governo provincial de Nangahar disse que o número de baixas do funeral pode aumentar.

Ataque em maternidade

Em Cabul, o ataque ocorreu pela manhã quando ao menos três atiradores usando uniformes da polícia entraram no hospital Dasht-e-Barchi lançando granadas e atirando, disseram autoridades do governo. Quinze pessoas foram feridas na ação, de acordo com o Ministério do Interior. As forças de segurança haviam mataram os agressores.

O hospital de 100 leitos administrado pelo governo conta com uma maternidade aos cuidados do MSF.

O MSF confirmou em um tuíte que o hospital foi atacado e que funcionários e pacientes estavam sendo retirados. Poucas horas antes, a entidade havia tuitado uma foto de um bebê recém-nascido na maternidade nos braços da mãe depois de uma cesárea de emergência.

Autoridades dos ministérios do Interior e da Saúde disseram que mães, enfermeiras e crianças estão entre os mortos e feridos.

Fotos do Ministério do Interior mostraram duas crianças pequenas prostradas e mortas dentro do hospital. Soldados retiraram crianças pequenas do complexo, algumas envoltas em cobertores ensanguentados. Autoridades disseram que 100 pessoas no total foram resgatadas, incluindo três cidadãos estrangeiros.

O bairro abriga muitos membros da comunidade hazara afegã, uma minoria majoritariamente xiita que já foi atacada antes pelos sunitas do Estado Islâmico, inclusive em uma cerimônia em Cabul na qual lembravam a morte de um de seus líderes em março.