Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Papel de Obama será decisivo para democratas enfrentarem o governo Trump

Popularidade do presidente o manterá em ação, diante de fragilidade de seu partido

Internacional|Eugenio Goussinsky, do R7

Obama sai com alta popularidade e será importante para o partido
Obama sai com alta popularidade e será importante para o partido Obama sai com alta popularidade e será importante para o partido

Para Barack Obama, não importa se Obama quer e Trump não quer. A defesa do programa Obamacare, no qual mais de 20 milhões de pessoas passam a ter planos de saúde, evidencia como Obama irá continuar atuando por suas políticas após o fim do seu mandato. E tentando conciliar as enormes diferenças em relação ao seu sucessor na Casa Branca.

Há poucos dias ele já foi ao Congresso buscar convencer deputados e senadores a não substituírem o programa, algo que o novo presidente Donald Trump pretende fazer assim que assumir o cargo. Além disso, a equipe de Obama lançou um abaixo-assinado para que o público manifestasse sua contrariedade em relação à obsessão trumpiana em repelir o acesso a planos gratuitos para o público mais carente.

Enfim, Barack Obama (2009-2017), a partir do próximo dia 20, se mudará para uma elegante casa no bairro de Kalorama, em Washington, mas, além de palestras, entrevistas e livros publicados, deverá manter-se no cenário político, trabalhando por suas causas sem perder de vista o que considera valores democráticos. Um dos muitos que veem um Obama politicamente ativo no futuro é o professor Márcio Coimbra, coordenador do curso de Relações Institucionais do Ibmec, em Brasília.

— Ele não vai se isolar, não é seu perfil. Obama foi líder comunitário, estudantil, de ONGs, e com certeza vai ter um papel de protagnoismo, principalmente por ter como substituto um governo republicano. Ele vai ser um ponto de equilíbrio do outro lado, por ter sido o último presidente, dos democratas, diante agora de um governo republicano. Com certeza ele vai servir como contraponto em muita coisa. Não significa que vá ser um chefe de oposição, a oposição vai ficar no Congresso. Mas ele, em temas pontuais, vai falar e atuar.

Publicidade

Obama continuará em Washington porque sua filha Sasha estuda no Ensino Médio de uma escola local. Sua residência fica a 20 quarteirões da Casa Branca. Neste sentido, Trump terá um vizinho propenso a observá-lo com minúcia e, quem sabe, até se candidatando a algum cargo nas próximas eleições (menos de presidente, que não é permitido), como fez John Quincy Adams (1825-1829), eleito depois deputado. Mas isso, segundo Coimbra, é muito improvável.

Ao contrário das questões empresariais, Trump terá de agir com um espírito mais aberto, sabendo que o lucro imediato é o que menos existe na política. Neste sentido, Obama não tem como abrir mão agora de tudo o que investiu para o futuro, buscando, como afirmou em seu discurso de despedida, manter um país vigilante em relação à democracia, sempre em alerta para que ela não fique apenas restrita ao papel da Constituição. Para a historiadora Barbara Weinstein, doutora pela New York University, Obama será um líder dentro de seu partido, agora enfraquecido com a derrota de Hillary Clinton e tendo a minoria no Senado e na Câmara dos Representantes.

Publicidade

— Acho que Obama vai ser ex-presididente atuante, não vai sair da política, especialmente por causa da situação dos democratas atualmente. Eles estão sem lideranças, são minoria e ele simbolicamente vai ter um papel muito importante. Ainda mais porque ninguém o está responsabilizando pelas perdas do Partido Democrata. Muita gente fala que Hillary não fez uma boa campanha, mas ninguém está colocando a culpa em Obama então isso mantém sua força intacta.

Linhagem democrata

Publicidade

Indiretamente, Obama poderá até ser um conselheiro de Trump. Um espelho invertido que apontará os exageros do bilionário excêntrico, quando ele muitas vezes se perde em frases intempestivas e desafiadoras, segundo Barbara.

— Não acho que Trump seja burro, mas ele é incapaz de pensar em várias dimensões e responde em termos mais práticos, da forma que ele respondia na vida empresarial. E não é a mesma coisa. Ele não tem auto-controle, lhe faltam disciplina e capacidade de pensar nas várias facetas de uma questão. O filtro para ele é ele mesmo, é o ego dele. Isso deixa a gente na expectativa de como ele irá agir para não fazer nenhuma grande besteira em termos de relações internacionais, por exemplo.

Pelas palavras de Barbara e a iniciativa de Obama, o presidente seguirá a linhagem democrata de se manter no cenário político. Inclusive inaugurando uma fundação com seu nome e uma biblioteca, como fizeram, por exemplo, Jimmy Carter (1977-1981) e Bill Clinton (1993-2001). Carter, um democrata admirado por Obama, não conseguiu se reeleger, mesmo com seu discurso conciliador.

O que Obama fará depois de deixar a Presidência dos EUA?

Questões estratégicas internacionais e a garantia de Ronald Reagan (1981-1989) de gerar empregos e manter a segurança do país, fizeram o republicano se eleger. Carter, porém, se tornou um ativo defensor dos direitos humanos, a ponto de receber, com sua fundação, um Prêmio Nobel da Paz em 2002. Prêmio que Obama recebeu em 2009. Barbara lembra até com humor uma frase sobre Carter.

— Carter não foi um mau presidente. Mas costuma se brincar dizendo que ele foi melhor como ex-presidente do que como presidente.

Obama, agora, tenta entrar para a história como um excelente ex-presidente. Mantendo sua imagem em alta. E poderá se tornar o tal filtro de que Trump necessita, segundo disse a especialista. O ativista voltará a campo em outra posição, para ser um termômetro de seu e do futuro mandato. Um incômodo que pode até ser bom para o novo governo, mesmo que Trump não queira. Afinal, Obama quer.

Conheça o R7 Play e assista a todos os programas da Record na íntegra!

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.