Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Paraguaios votam no domingo, em meio a acusações de corrupção e de infiltração no crime organizado

Eleitorado vai escolher entre o economista conservador Santiago Peña, do governista Partido Colorado, e Efraín Alegre, da oposição

Internacional|

Santiago Peña (à esquerda) e Efraín Alegre (à direita)
Santiago Peña (à esquerda) e Efraín Alegre (à direita) Santiago Peña (à esquerda) e Efraín Alegre (à direita)

Os paraguaios votam no domingo (30), em sua eleição presidencial mais imprevisível, em meio a acusações de corrupção e de infiltração no crime organizado, para escolher entre o economista Santiago Peña, do governista Partido Colorado, e o advogado Efraín Alegre, à frente de um bloco de oposição de centro-esquerda.

Com posições contrárias tanto em temas domésticos quanto de política externa, nas quais Alegre questiona a relações diplomáticas com Taiwan e Peña as defende, ambos concordam, no entanto, no repúdio à legalização do aborto.

O Paraguai é um dos poucos países que mantém vínculos com Taiwan, mas pouco depois da ruptura decidida por Honduras em março, Alegre considerou que essas relações "significam a perda de um dos maiores mercados, que é a China".

Compartilhe esta notícia no WhatsApp

Publicidade

"O Paraguai faz um esforço muito importante, uma renúncia muito grande para ter relações com Taiwan, mas não estamos vendo de Taiwan o mesmo esforço", disse à AFP.

Alternância?

O direitista Peña, de 44 anos, ex-ministro da Economia e ex-membro da diretoria do Banco Central, enfrenta o desafio de manter o poder para o Partido Colorado, que governou quase ininterruptamente desde os anos 1950, mas chega a estas eleições muito dividido, com alguns de seus líderes mais importantes sancionados pelos Estados Unidos por corrupção.

Publicidade

Alegre, que aos 60 anos concorre à Presidência pela terceira vez, tem sua melhor chance, com o apoio de uma ampla coligação que o elegeu nas primárias em dezembro passado.

As últimas pesquisas mostram um empate técnico, um cenário inédito. Ainda que nas eleições anteriores, de 2018, o atual presidente, o colorado Mario Abdo Benítez, tenha vencido com uma diferença de 3,7% dos votos sobre Alegre, as pesquisas haviam lhe dado uma diferença maior.

Publicidade

"Não se vence com pesquisas, não se vence com currículo. Vence-se com o voto popular manifestado no dia das eleições", indicou Peña em entrevista à AFP.

Dia definitivo

As eleições presidenciais no Paraguai ocorrem em apenas um turno e serão definidas neste domingo a favor de quem obtiver a maior votação, sem necessidade de maioria absoluta.

Os 4,8 milhões de eleitores escolherão também o próximo Parlamento de 45 senadores e 80 deputados, além de 17 governadores.

A mais recente pesquisa feita pela Atlas entre os dias 20 e 24 de abril, com margem de erro de 2 pontos percentuais, indicou uma intenção de voto de 34,3% para Alegre e 32,8% para Peña. Em terceiro lugar figura Paraguayo Cubas, um direitista antissistema, com uma curva ascendente que o leva a 23%.

Porém, será a formação do Congresso que irá determinar a governabilidade, com um Partido Colorado que pode se dividir em duas bancadas, entre os que apoiam o ex-presidente Horacio Cartes (2013-2018), sancionado por corrupção pelos Estados Unidos e padrinho político de Peña, e os que apoiam o presidente Abdo.

"A pior oposição que Peña enfrentará, se vencer, será dentro de seu partido, não fora dele", comentou à AFP o analista político Sebastián Acha.

Corrupção e infiltração do crime organizado estão na lista de acusações mútuas das duas correntes do partido governista, com o vice-presidente Hugo Velázquez sancionado também pelos Estados Unidos.

O trabalho a ser feito

O próximo governo deverá enfrentar o combate à pobreza e à desigualdade em um cenário econômico global pouco favorável.

Com uma economia impulsionada pelas exportações de produtos agrícolas, o Banco Central paraguaio prevê, em 2023, crescimento de 4,8% do PIB. O FMI o estimou em 4,5%, um dos mais altos da América Latina.

Mas a pobreza alcança 24,7% dos 7,5 milhões de habitantes e a pobreza extrema, 5,6%, segundo a pesquisa domiciliar de 2022 do Instituto Nacional de Estatísticas.

Em Assunção, os contrastes são evidentes entre os luxuosos edifícios comerciais construídos nos últimos anos e os frágeis barracos levados pelo rio Paraguai a cada enchente.

"Nós não vamos votar. Não há propostas sérias para os pobres", disse Albino Cubas, um vigia particular de 41 anos, que perdeu sua casa na última inundação.

O consultor econômico Rubén Ramírez concordou que "o grande problema do Paraguai é não ter alcançado um equilíbrio maior na distribuição de renda para uma maior igualdade".

"O próximo governo vai enfrentar um panorama mundial complexo. Há imprevisibilidade sobre a evolução dos preços das commodities, em um contexto global de inflação", afirmou à AFP.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.