Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Presidente da Câmara dos EUA se reúne com líder de Taiwan apesar das ameaças da China

Encontro aconteceu apesar das constantes ameaças que Pequim fez à Washington

Internacional|

Presidente da Câmara de Representantes dos EUA, Kevin McCarthy
Presidente da Câmara de Representantes dos EUA, Kevin McCarthy Presidente da Câmara de Representantes dos EUA, Kevin McCarthy

O republicano Kevin McCarthy, presidente da Câmara de Representantes dos Estados Unidos, se reúne nesta quarta-feira (5) na Califórnia com a presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, apesar das repetidas ameaças da China.

Tsai chegou a Los Angeles na terça-feira, depois de uma viagem diplomática à América Central, para uma reunião com McCarthy à qual Pequim "se opõe fortemente", disse a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Mao Ning, na segunda-feira.

O ministério alertou que o país "defenderá firmemente sua soberania nacional e integridade territorial".

A China considera a ilha de governo democrático e autônomo como uma província rebelde que faz parte de seu território e diz que está disposta a retomá-la até mesmo pela força, se necessário.

Publicidade

Sob o princípio de "uma só China", Pequim não permite que nenhum país tenha relações diplomáticas com ela e com Taiwan ao mesmo tempo.

Apenas 13 países no mundo reconhecem Taiwan.

Publicidade

O governo dos Estados Unidos há muito tempo mantém uma "ambiguidade estratégica" sobre o assunto, uma doutrina que visa dissuadir a China de invadir Taiwan e impedir que os líderes da ilha provoquem Pequim com uma declaração de independência.

"Grave confronto"

Embora os Estados Unidos tenham reconhecido as autoridades de Pequim em 1979, Washington é o principal aliado de Taiwan e seu maior fornecedor de armas.

Publicidade

O apoio à ilha é um dos poucos consensos bipartidários no Congresso dos Estados Unidos e, durante o mandato de Tsai Ing-wen, essa relação se fortaleceu.

McCarthy planejou inicialmente seguir o exemplo de sua antecessora no cargo, a democrata Nancy Pelosi, que visitou Taiwan em agosto do ano passado.

Publicidade

Leia também

A viagem provocou a indignação da China, que respondeu com as maiores manobras militares de sua história ao redor da ilha.

McCarthy, então, acabou optando por se encontrar com Tsai Ing-wen e vários representantes do Congresso na Biblioteca Presidencial Ronald Reagan, em um subúrbio de Los Angeles.

No entanto, Xu Xueyuan, encarregada de negócios da embaixada chinesa nos Estados Unidos, disse à imprensa na semana passada que Washington corria o risco de um "confronto grave" se os líderes americanos visitassem Taiwan ou vice-versa.

Presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen
Presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen Presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen

Esta semana, o consulado chinês em Los Angeles afirmou em um comunicado que o encontro entre McCarthy e Tsai prejudicaria "os fundamentos políticos das relações entre China e Estados Unidos".

O governo do presidente democrata Joe Biden disse que a líder taiwanesa está "de passagem" e nega que seja uma visita oficial. Nesse sentido, Washington pediu a Pequim que não use a reunião como "pretexto" para "reagir agressivamente".

Em Belize e depois da passagem pela Guatemala, a presidente taiwanesa Tsai agradeceu ao apoio diplomático do pequeno país na segunda-feira e questionou as "constantes ameaças e pressões" da China, em discurso perante a Assembleia Nacional.

A América Latina tem sido um terreno disputado desde que Taiwan e China se separaram de fato em 1949, no final da guerra civil. Os comunistas tomaram o poder na China continental, enquanto os nacionalistas recuaram para Taiwan.

Apenas Belize e Guatemala permanecem aliados de Taiwan na América Central, depois que Honduras mudou sua lealdade para Pequim no mês passado.

Ranking das 100 melhores cidades para viver conta com duas brasileiras

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.