Internacional Suíços rejeitam maior salário mínimo do mundo, aponta pesquisa

Suíços rejeitam maior salário mínimo do mundo, aponta pesquisa

Grande parte da população teme que o valor alto provoque aumento do desemprego

Quase 77% dos eleitores rejeitaram a criação do salário mínimo de R$ 40 (18 euros) por hora

Quase 77% dos eleitores rejeitaram a criação do salário mínimo de R$ 40 (18 euros) por hora

Reuters

Os suíços rejeitaram neste domingo (18) em um referendo a instauração no país de um salário mínimo equivalente a R$ 10 mil (3.300 euros), que seria o mais elevado do mundo, segundo as primeiras projeções de um instituto de pesquisas.

Quase 77% dos eleitores rejeitaram a criação do salário mínimo de R$ 40 (18 euros) por hora, segundo o instituto gfs.bern, que anunciou uma margem de erro de 3%.

Grande parte da população teme que o salário mínimo muito alto provoque um aumento do desemprego, um fenômeno quase inexistente na Suíça (taxa de 3,2% em abril).

Ricos, estáveis e satisfeitos: veja os 5 países mais felizes do mundo

Ao mesmo tempo, o referendo incluiu outras questões e existe um suspense sobre a iniciativa de compra de 22 aviões de combate suecos. As pesquisas das últimas semanas mostraram que o "não" aos caças Gripen, defendido pelos partidos de esquerda e os Verdes, continuava na liderança.

O governo e o Parlamento decidiram pela compra de 22 caças Gripen porque consideram que parte dos aviões de combate das Forças Armadas suíça estão "obsoletos".

Mas os críticos do projeto afirmam que a conta é muito elevada, que a Suíça está cercada de países amigos e que o modelo de avião, que atualmente existe apenas no papel, não oferece as melhores características.

A única iniciativa que certamente será aprovada neste domingo será a proibição pelo resto da vida para qualquer pessoa condenada por abusos sexuais contra uma criança ou uma pessoa dependente de exercer uma atividade profissional ou voluntária em contato com estes grupos.

Últimas