Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Terroristas de Barcelona queriam explodir Sagrada Família

Célula planejava atentado com explosivos na basílica de Gaudí

Internacional|Da Ansa

Rebeldes queriam causar explosão de grandes dimensões na Basílica da Sagrada Família
Rebeldes queriam causar explosão de grandes dimensões na Basílica da Sagrada Família Rebeldes queriam causar explosão de grandes dimensões na Basílica da Sagrada Família

A célula terrorista responsável pelos atentados de Barcelona e Cambrils, na Catalunha, tinha como principal objetivo provocar uma explosão de grandes dimensões na Basílica da Sagrada Família, o mais famoso ponto turístico da capital da comunidade autônoma.

Segundo o jornal "El Confidencial", que cita fontes ligadas à investigação, os jihadistas preparavam grandes quantidades do explosivo TATP (triperóxido de triacetona), substância preferida pelo Estado Islâmico (EI) para a realização de atentados e apelidada por extremistas de "a mãe de Satã".

O composto era armazenado na casa que explodiu em Alcanar, 200 quilômetros a sudoeste de Barcelona, na noite da última quarta-feira (16). Na residência, a polícia encontrou 106 cilindros de gás butano, que seriam combinados com o TATP, já usado nos ataques de Paris, em novembro de 2015, e Bruxelas, em março de 2016.

A destruição da casa provavelmente fez os terroristas mudarem seus planos, levando-os a atacar outro ponto emblemático da capital da Catalunha, o calçadão das Ramblas, em pleno centro da cidade.

Publicidade

Um eventual atentado na Sagrada Família poderia ter dimensões ainda maiores: cartão-postal de Barcelona, a igreja projetada pelo arquiteto catalão Antoni Gaudí recebeu 4,5 milhões de pessoas em 2016 e costuma conviver com longas filas de turistas, muitas vezes tomando as calçadas de seus arredores.

A construção da catedral começou em 1882 e até hoje não foi concluída - as gruas que dividem espaço com suas torres já se tornaram um símbolo de Barcelona.

Publicidade

Os atentados na Catalunha deixaram 14 mortos, sendo 13 na capital da região e um em Cambrils, e a célula terrorista era composta por pelo menos 12 homens, dos quais sete morreram (incluindo dois na explosão em Alcanar) e quatro foram presos.

O único foragido é o marroquino Younes Abouyaaqoub, de 22 anos, que pode ter escapado para a França.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.