Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

"Todos os países irão respeitar mais os EUA", diz Trump sobre futuro governo

Coletiva com presidente eleito foi dominada por questões sobre a Rússia

Internacional|Do R7, com agências internacionais

Trump faz a primeira coletiva de imprensa do ano
Trump faz a primeira coletiva de imprensa do ano Trump faz a primeira coletiva de imprensa do ano

Depois de ter um início de ano tumultuado por boatos de que o governo russo teria informações comprometedoras sobre seu passado, o presidente eleito dos EUA, Donald Trump, faz uma coletiva de imprensa nesta quarta-feira (11).

— Todos os países irão respeitar mais os EUA, muito mais do que na administração anterior. 

Trump também disse que agências de inteligência dos EUA podem ter vazado um dossiê com o que ele chamou de "notícias falsas" sobre como a Rússia tentou influenciar suas ações, e afirmou que as alegações são mentirosas.

— Não tenho ligações ou negócios com a Rússia, nem empréstimos. (...) É uma desgraça que agências de inteligência tenham permitido o vazamento informações falsas.

Publicidade

O republicano atacou dois veículos de comunicação por divulgarem alegações não confirmadas a respeito de seus laços com Moscou, mas elogiou outros repórteres por não repetirem a notícia.

"Acho que é uma desgraça que informação seja lançada", disse Trump a cerca de 250 repórteres reunidos no lobby de seu escritório em Nova York.

Publicidade

O dossiê, que surgiu na noite de terça-feira (10), foi noticiado inicialmente pela CNN. O BuzzFeed depois publicou elementos detalhados.

"Yes, we can": Emocionado, Obama pede união pela democracia em seu discurso de despedida

Publicidade

Trump gera nova polêmica ao falar de suposto dossiê russo sobre ele: "Estamos vivendo na Alemanha nazista?"

Em uma grave mudança de tom, o presidente eleito afirmou ainda que os russos podem estar por trás dos ataques cibernéticos contra o governo no ano passado.

— Eu acho que foi a Rússia, mas eu acho que não podemos focar em um país só porque tivemos muitas invasões de hackers de várias partes do mundo.

Segundo o magnata, "o comitê democrata estava aberto para ser invadido e o sistema deles é muito ruim. Eles tentaram sim entrar e invadir os computadores dos republicanos, mas não conseguiram, e temos que fazer isso pelo país".

O pronunciamento foi organizado um dia após o último discurso público de Barack Obama como presidente dos EUA. Na ocasião, Obama não só exaltou seus feitos como líder do país, como também aproveitou a oportunidade para alfinetar o futuro presidente, Donald Trump.

Trump, que toma possa em 20 de janeiro, propôs o banimento temporário da entrada de muçulmanos no país, a construção de um muro na fronteira com o México, a suspensão de um acordo global para enfrentar as mudanças climáticas e o desmantelamento do programa de saúde pública do governo Obama.

Obama deixou clara sua oposição a essas posições durante discursos de campanha para a candidata democrata derrotada por Trump na eleição de 2016, Hillary Clinton, mas tem adotado um tom mais conciliatório com Trump desde a vitória do republicano.

Acompanhe a transmissão ao vivo da coletiva de Trump em NY: 

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.