Trump visita Kenosha e expressa apoio à polícia após protestos

O presidente republicano também ameaçou enviar mais oficiais federais às cidades governadas por prefeitos democratas onde ocorrem os protestos

Presidente dos EUA, Donald Trump desembarca em Kenosha, em Wisconsin

Presidente dos EUA, Donald Trump desembarca em Kenosha, em Wisconsin

Leah Millis/ Reuters/ 01.09.2020

O presidente Donald Trump desembarcou em Kenosha, Wisconsin, nesta terça-feira (1º), para expressar apoio às autoridades em um cidade abalada por distúrbios civis. A cidade registra diariamente protestos contra a violência policial, após Jacob Blake ser atingido pelas costas pela polícia.

Trump está apelando para sua base de apoiadores brancos com uma mensagem de "lei e ordem", enquanto pesquisas de opinião mostram que ele está assumindo a liderança de seu rival democrata, o ex-vice-presidente Joe Biden.

O presidente republicano também ameaçou enviar mais oficiais federais às cidades governadas por prefeitos democratas, mesmo que as autoridades locais se opusessem, dizendo: “Em algum momento ... vamos ter que fazer isso nós mesmos”.

Protestos contra o racismo

Trump não visitou Jacob Blake, que ficou paralisado da cintura para baixo depois que um policial branco atirou em suas costas sete vezes em 23 de agosto. Ele também não conheceu a família de Blake, mas se encontrou com os pastores de sua mãe.

Em vez disso, ele prometeu reconstruir Kenosha e fornecer mais gastos federais para Wisconsin, um estado de batalha política que Trump venceu por pouco em 2016 e que precisa urgentemente manter em sua base de apoio enquanto busca a reeleição em 3 de novembro.

O presidente visitou uma loja de móveis incendiada que foi destruída nos protestos e, em seguida, um centro de comando improvisado para elogiar as tropas da Guarda Nacional que foram chamadas para reforçar a polícia local depois que várias noites de protestos pacíficos deram lugar a saques, incêndios criminosos e tiros.

“Não se trata de atos de protesto pacífico, mas de terrorismo doméstico”, disse Trump a líderes empresariais locais em um ginásio de uma escola secundária.

"Para deter a violência política, devemos também enfrentar a ideologia radical. ... Temos que condenar a perigosa retórica anti-polícia", disse Trump, acrescentando que sem sua ajuda Kenosha teria "queimado até o chão".

Apelo ao coração

Durante a visita, Trump disse que sentia "terrivelmente por qualquer um que passa por isso", referindo-se ao tiroteio da polícia, e que ele teve a honra de se encontrar com os pastores da mãe de Blake, as duas únicas pessoas negras na mesa redonda de Trump.

O pastor James Ward apelou a maiores esforços para "mudar os corações das pessoas" e trazer cura e paz para a comunidade, enquanto sua esposa e co-pastor Sharon Ward disse: "Acho que é importante ter negros à mesa para ajudar a resolver o problema."

O governador democrata do estado e o prefeito democrata da cidade chegaram a pedir que Trump que não visitasse a região, a fim de evitar tensões inflamadas e permitir que os cidadãos se acalmassem.

Mas quando ele apareceu, o presidente prometeu US$ 1 milhão (R$ 5,4 milhões) em apoio federal para a aplicação da lei de Kenosha, US$ 4 milhões (R$ 21 milhões) para pequenas empresas e US$ 42 milhões (R$ 226 milhões) para segurança pública em todo o estado, contrastando com os apelos esquerdistas para "despojar a polícia".

Problemas antecedentes

Grande parte do país defendeu os direitos civis desde que George Floyd, um homem negro, morreu em 25 de maio depois que um policial branco se ajoelhou em seu pescoço. O país estava avaliando esse caso quando Blake foi baleado ao entrar em seu carro em 23 de agosto.

Kenosha se tornou uma das cidades-chave onde manifestantes anti-racistas entraram em confronto com apoiadores de Trump que convergiram em locais de protesto, às vezes carregando armas abertamente enquanto juram proteger propriedades de saqueadores.

Um apoiador de Trump de 17 anos foi acusado de matar duas pessoas e ferir outra com um rifle semiautomático em Kenosha. Trump defendeu o adolescente branco, que enfrenta seis acusações criminais, e se recusou a condenar a violência de seus partidários.

Mas em Portland, Oregon, local de três meses de protestos noturnos que muitas vezes se tornaram violentos, um apoiador de Trump foi morto a tiros no sábado e o presidente lamentou que "eles executaram um homem na rua".

O presidente recebeu o crédito por restaurar a paz em Kenosha desde que a Guarda Nacional e os reforços da lei federal foram enviados. Embora o governador de Wisconsin, Tony Evers, convocasse mais tropas da Guarda Nacional por conta própria, Trump enviou cerca de 200 policiais federais.