Minas Gerais Corpo de taxista encontrado morto é velado na Grande BH 

Corpo de taxista encontrado morto é velado na Grande BH 

Dinâmica da morte do motorista ainda não foi esclarecida; Polícia Civil continua a investigar o caso 

  • Minas Gerais | Leandro Wagner e Túlio Lopes, da Record TV Minas

Imagens de circuito de segurança mostram homens abandonando o veículo

Imagens de circuito de segurança mostram homens abandonando o veículo

Reprodução / Record TV Minas

O corpo do taxista Sebastião Esteves Viana Filho, de 69 anos, que foi encontrado após a família denunciar o desaparecimento do idoso, está sendo velado na manhã desta quarta-feira (1), em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte. O velório vai iniciar às 08 horas da manhã.

A Polícia Militar encontrou, na manhã desta terça-feira (28), o corpo do taxista que estava desaparecido desde esta segunda-feira (27). O corpo da vítima foi abandonado no bairro Citrolândia, em Betim, na região metropolitana da capital mineira.

Sebastião Esteves Viana Filho sumiu enquanto trabalhava. O carro dele já havia sido encontrado, com porta-malas aberto e o taxímetro ligado, no bairro Alto Boa Vista, também em Betim, nesta segunda-feira.

A marmita, a carteira e outros objetos de Viana Filho estavam dentro do veículo. O celular dele sumiu. O aparelho foi desligado em uma região de mata na cidade de Mário Campos. A família foi até lá durante a madrugada, mas não encontrou pistas do paradeiro. O local fica a cerca de 10 minutos de onde o táxi foi abandonado.

A família conseguiu um circuito de segurança que mostra o momento em que o táxi foi abandonado. O vídeo filmou dois homens pegando malas que estavam no porta-malas. Eles saem do carro em seguida.

"Recebi informações de que havia dois suspeitos pedindo corrida na região de Brumadinho e Mário Campos. Os taxistas estavam negando. Estão achando que o meu pai aceitou", disse Thiago Viana, filho do motorista.

Viana Filho é descrito por todos como um homem gentil e carinhoso. "Meu pai já foi assaltado várias vezes, mas nunca reagiu. Ele mantinha calma e fazia o que os bandidos pediam", detalha o filho do taxista.

A dinâmica da morte do motorista ainda não foi esclarecida. A Polícia Civil investiga o caso.

Últimas