Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Defesa de motorista que atropelou e matou jovem em BH pede diminuição da fiança 

Marcos Ricardo de Souza, de 30 anos, apresentava sinais de embriaguez e tentou fugir sem prestar socorro 

Minas Gerais|Do R7

Larissa Assis teve morte cerebral
Larissa Assis teve morte cerebral Larissa Assis teve morte cerebral

A defesa de Marcos Ricardo de Souza, de 30 anos, motorista acusado de provocar acidente de trânsito e matar Larissa Rodrigues de Assis, de 27 anos, que estava na garupa de uma moto no bairro Xodó Marize, região norte de Belo Horizonte, no dia 3 de maio, solicitou a redução do valor estipulado para fiança. 

Em pedido feito no último fim de semana, a Defensoria Pública de Minas Gerais solicitou à Justiça, a diminuição do valor de fiança fixada em 50 salários-mínimos para que o motorista responda o processo em liberdade provisória. O valor equivale a mais de R$ 65 mil. 

O valor de fiança foi definido em audiência de custódia realizada na última semana pelo juiz Leonardo Machado Cardoso, da Central de Flagrantes de Belo Horizonte. 

Segundo a Defensoria, o motorista não tem condições de arcar com o pagamento de fiança, já que declarou que trabalha de forma autônoma, fazendo carretos, com renda mensal de cerca de R$ 3 mil. 

Publicidade

A Defensoria Pública argumentou que “não é legítimo que o Estado transforme a fiança em instrumento de reafirmação da desigualdade entre os indivíduos, garantindo a liberdade somente aos mais abastados e penalizando os economicamente vulneráveis”.

O pedido de diminuição do valor da fiança será analisado nos próximos dias pela Justiça. 

Publicidade

Entenda o caso 

Larissa estava na garupa da moto da amiga Tainá Santos, quando as duas foram atingidas por um carro na contramão. O veículo era conduzido por Marcos Ricardo que, segundo a polícia, tinha sinais de embriaguez e tentava fazer ultrapassagem em local proibido. No momento do acidente, as vítimas voltavam da academia.

Publicidade

Segundo testemunhas, Marcos tentou fugir do local sem prestar socorro, mas foi impedido pelos moradores. Tainá quebrou as duas pernas e foi levada para o Hospital João 23, na região central da cidade.

A família de Larissa ficou chocada com o valor estipulado para fiança. “Foi concedida uma liberdade provisória com arbitramento de 50 salários-mínimos. A família está chocada com essa decisão, pelo entendimento de saber que uma vida vale apenas 50 salários”, avaliou Thiago Calazans, advogado dos familiares.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.