Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Augusto Nunes
Publicidade

Ciro foi atropelado pelo vírus chinês

O monarca de Sobral descobriu que bravatas e bazófias não intimidam microrganismos

Augusto Nunes|Do R7 e Augusto Nunes

Ciro Gomes ficou irritado ao saber que um vírus nascido e criado na China andara fazendo estragos no país natal e passara a agir nos países vizinhos. A taxa de indignação subiu quando o insolente microrganismo invadiu a Europa. E a curta paciência do chefe do clã dos Gomes acabou de vez com o desembarque do inimigo no Brasil.

Primeiro, o eterno candidato derrotado à Presidência culpou Jair Bolsonaro pela existência da pandemia. Depois, apareceu num vídeo tentando — inutilmente — derramar lágrimas de esguicho em homenagem aos brasileiros amontoados em barracos, sem chances de sobrevivência no duelo desigual com a covid-19. Quando a quarentena virou moda, Ciro juntou-se aos irmãos para defender o Ceará em geral e Sobral em particular dos inimigos externos e internos.

Em comunicados sucessivos, Ciro proibiu a pandemia de cruzar as divisas do Estado, reiterou que nenhum vivente seria poupado do isolamento radical e avisou que daria voz de prisão a quem se atrevesse a contestá-lo: "Aqui não vai ter nem missa nem culto religioso", exemplificou. "Quem tentar fazer a gente prende". Depois de ordenar ao prefeito Roberto Cláudio que comandasse a guerra em Fortaleza, entrincheirou-se em Sobral para mostrar ao atrevido forasteiro quem dá as cartas no berço da família Gomes.

Se a hidroxicloroquina é uma interrogação, ficou evidente que bazófias e bravatas não amedrontam o vírus chinês. No balanço de 21 de abril, o Ceará apareceu no alto do ranking dos mais castigados pela pandemia. No momento, o Ceará supera São Paulo em número de infectados por 100 mil habitantes. Para piorar, Sobral superou a marca do Estado com um índice de infectados por 100 mil habitantes que equivale ao dobro da média nacional.

Ciro Gomes vinha repetindo a cada campanha presidencial que transformou o Ceará numa Suécia com praia e verdes mares. Depois do fiasco na batalha contra o coronavírus, terá de remodelar a conversa fiada para reduzir o tamanho da próxima derrota.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.