Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Após depoimento à PF, versão de Gonçalves Dias deixa dúvidas

Ex-ministro de Lula falou do número de homens no Palácio do Planalto e disse que chegou à sede do governo antes da invasão

Blog do Nolasco|Do R7

O general Gonçalves Dias, ex-chefe do GSI, deixa a sede da PF após prestar depoimento
O general Gonçalves Dias, ex-chefe do GSI, deixa a sede da PF após prestar depoimento O general Gonçalves Dias, ex-chefe do GSI, deixa a sede da PF após prestar depoimento

A versão do general Gonçalves Dias, ex-ministro do GSI (Gabinete de Segurança Institucional), que prestou depoimento na sexta-feira (21) à Polícia Federal, deixou questões em aberto.

Primeiro, o ex-ministro do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou ter chegado ao Palácio do Planalto, no dia 8 de janeiro, às 14h50, antes, portanto, da invasão do prédio, que começou por volta das 15h01 daquele dia.

As primeiras imagens que mostram o ex-ministro são das 16h29. Portanto, não se sabe até o momento quais foram as medidas adotadas pelo general durante esse período de quase uma hora e meia.

No depoimento, ele afirmou que para proteger as instalações pediu reforços ao Comando Militar. Mas só aparece nas imagens, até agora, já tentando evitar a invasão do gabinete do presidente Lula e apenas direcionando os manifestantes para as escadas, sem efetuar prisões.

Continua após a publicidade

Na fala à Polícia Federal, o militar, que era o responsável pela segurança do Palácio do Planalto, disse ainda que não teve conhecimento de que o coordenador de avaliações de risco do GSI, coronel Alexandre Santos de Amorim, havia classificado os protestos do dia 8 como de risco "laranja", o segundo maior, ou seja, de alto risco.

Gonçalves Dias também detalhou o número de homens à disposição no dia dos protestos. Afirma que havia 45 agentes de coordenação geral de segurança, 46 militares da Cavalaria e 38 militares de choque do Batalhão de Guarda.

Continua após a publicidade

Nas imagens a que a Record TV teve acesso até o momento não há registro de confrontos antes da invasão do Palácio do Planalto. Mesmo com esses homens disponíveis, o então coordenador da equipe de segurança do Palácio, capitão do Exército José Eduardo Pereira, homem flagrado oferecendo água aos extremistas, aparece nas imagens por mais de uma hora, sozinho, acompanhando a movimentação dos criminosos próximo ao gabinete presidencial, que não foi invadido.

Durante as quase cinco horas de depoimento, o general Gonçalves Dias disse ainda ser um "absurdo" o GSI não ter sido convidado para reuniões na Secretaria de Segurança do Distrito Federal. Alegou ainda que a prisão dos invasores era impossível de ser feita, porque ele estava sozinho, e que caberia ao Exército fiscalizar e até retirar os acampamentos da frente de quartéis.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.