Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Christina Lemos - Blogs
Publicidade

Meta de Lira é superar petista campeão de votos em 2003

'Rei Arthur', como já é chamado o presidente da Câmara, pode bater votação de João Paulo Cunha (434 votos), em vitória dada como certa

Christina Lemos|Do R7

Arthur Lira: após acordo com Lula, candidatura 'única' e compromisso com a democracia
Arthur Lira: após acordo com Lula, candidatura 'única' e compromisso com a democracia Arthur Lira: após acordo com Lula, candidatura 'única' e compromisso com a democracia

Ao contrário do cenário de 2003, em que o então presidente eleito, Lula da Silva, consolidou seu projeto político hegemônico ao emplacar o primeiro petista na presidência da Câmara, 20 anos depois, é o momento de Lula ceder a vez a um adversário. O deputado Arthur Lira, do PP, pode alcançar nesta quarta-feira votação superior à que elegeu em 2003 João Paulo Cunha para o comando da Câmara: 434 votos.

O acordo entre Lira e Lula inclui a promessa de convivência civilizada e compromisso com a democracia. O deputado alagoano, um dos principais responsáveis pela estabilização do governo Bolsonaro e artífice da entrada do centrão no Executivo, foi dos primeiros a reconhecer a vitória do petista em outubro e teve papel importante ao barrar movimentos que buscavam desacreditar o sistema eletrônico de votação.

A reeleição de Lira nesta quarta, dada como certa, garante à presidência da Câmara e ao próprio processo legislativo autonomia e desatrelamento inéditos nas últimas duas décadas. O deputado será o gestor de interesses antagônicos entre as duas maiores correntes políticas instaladas na Câmara: o PL, de Bolsonaro, com seus 99 deputados, e o bloco formado por PT, PV e PCdoB, com 81 deputados. As duas vertentes medirão forças em torno das pautas econômicas de costume.

Em 2003, João Paulo Cunha coordenou os trabalhos da Câmara com facilidade, ao controlar a agenda de votações num ambiente de ampla maioria governista. Terminou alvejado pelo escândalo do mensalão e condenado pelo Supremo Tribunal Federal, cumpriu pena de seis anos e quatro meses em regime fechado no presídio da Papuda, em Brasília.

Publicidade

Empatado com o petista na quase unanimidade obtida entre seus pares na Câmara, em 1991, o então deputado Ibsen Pinheiro, do PMDB do Rio Grande do Sul, também obteve os mesmos 434 votos e se elegeu com vitória arrasadora para presidir a casa. A votação expressiva é característica de candidaturas “únicas”, como o caso de Arthur Lira, que conta com um adversário simbólico: Chico Alencar, do PSOL.

Também Ibsen Pinheiro, falecido em 2020, enfrentou a reversão de expectativas, ao ter o mandato cassado após a CPI que investigou irregularidades na destinação de verbas públicas, no chamado Escândalo dos Anões do Orçamento. O emedebista ainda voltou ao Legislativo como deputado federal, mas jamais recuperou o desempenho que o levou a uma quase unanimidade na Câmara.

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.