Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Christina Lemos - Blogs
Publicidade

Partidos do Centrão preparam unificação política para 2024

PP, Republicanos e União Brasil podem optar por formar Federação, em briga por hegemonia na Câmara

Christina Lemos|Christina Lemos e Christina Lemos

Grupo espera ampliar em 50 o número de deputados
Grupo espera ampliar em 50 o número de deputados Grupo espera ampliar em 50 o número de deputados

Avançam as conversas internas em três das mais importantes legendas do Centrão por uma atuação política conjunta no próximo ano. A formação de uma federação entre PP, Republicanos e União Brasil começa a ganhar contornos realistas a partir da benção de um líder de peso — ninguém menos que o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP/AL). Com alto poder de influência nas três bancadas e trânsito em diversos partidos, o deputado não esconde que aprova a medida. O aval é praticamente a senha para que ela seja adotada.

A expectativa das cúpulas destas legendas é ampliar em até 50 o número de deputados, aproveitando o período de autorização legal para isso, chamado de "janela partidária". A expectativa é de migração de integrantes do PL, de Valdemar Costa Neto e Jair Bolsonaro.

• Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu WhatsApp

• Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp

Publicidade

• Compartilhe esta notícia pelo Telegram

• Assine a newsletter R7 em Ponto

Publicidade

As regras da federação partidária exigem atuação conjunta dos partidos inclusive no processo de votação em plenário. A união tende a aumentar o poder das legendas federadas, que conquistam o poder de virar o painel em favor desta ou aquela orientação.

As três legendas do Centrão agregariam mais de 160 deputados, constituindo uma força decisiva no quadro político da Câmara. A ideia é agregar deputados com posição ideológica conservadora, mas não radical, e disputar a hegemonia na Casa.

Consultado pelo blog, o presidente do Republicanos, Marcos Pereira, foi reticente e classificou a ideia de "conversas incipientes ainda". A questão pode ter forte impacto sobre a futura disputa pela presidência da Câmara. Lira não poderá mais se candidatar ao cargo, uma vez que já cumpriu dois mandatos na função. Os três partidos têm potenciais candidatos ao posto de comando da Câmara dos Deputados.

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.