Luiz Fara Monteiro ACI-LAC certifica primeiro aeroporto neutro em carbono no Brasil

ACI-LAC certifica primeiro aeroporto neutro em carbono no Brasil

BH Airport é o primeiro terminal a enquadrar-se, mais uma vez, nos critérios do programa com seis níveis de certificação e único programa global de acreditação e gerenciamento das emissões de carbono voltado a aeroportos

BH Airport: primeiro aeroporto neutro em carbono no Brasil
BH Airport: primeiro aeroporto neutro em carbono no Brasil BH Airport: Divulgação

O Conselho Internacional de Aeroportos na América Latina e Caribe (ACI-LAC) tem a satisfação de anunciar que BH Airport – operado pelo consórcio formado por Grupo CCR, Zurich Airport e Infraero - acaba de se tornar o primeiro aeroporto neutro em carbono do Brasil ao enquadrar-se, mais uma vez, nos critérios do programa Airport Carbon Accreditation, que tem seis níveis de certificação e é o único programa global de acreditação e gerenciamento das emissões de carbono voltado a aeroportos.

A conquista de BH Airport foi possível depois que o aeroporto, que já havia sido certificado em nível 2 pelo ACA, atendeu a todos os requisitos necessários da certificação no nível 3 (que trata do engajamento dos parceiros), e obteve a certificação de nível 3+, que atesta que o aeroporto cumpre com todos os requisitos anteriores e, além disso, faz a compensação das emissões residuais sobre as quais o aeroporto tem controle com créditos de carbono de alta qualidade.

Para que a neutralidade de carbono se tornasse uma realidade, BH Airport  comprovou utilização de energia elétrica de fonte 100% renovável. Também investiu na implantação do projeto 400Hz (energia elétrica) + PCA (ar-condicionado para aeronaves). Listado na edição 2023 do prêmio ACI Green Airport Recognition, este projeto consiste em acoplar nas pontes de embarque equipamentos para fornecimento de energia elétrica de fonte renovável e ar condicionado às aeronaves durante os serviços de solo, o que antes era realizado com querosene de aviação e geradores a diesel. Outra iniciativa que elevou os níveis de certificação no ACA de BH Airport foi a substituição de equipamentos movidos a GLP e diesel por empilhadeiras elétricas no terminal de carga. No total, a redução das emissões de carbono diretas do aeroporto já acumulou mais de 4 mil toneladas, o que representa 57% das emissões que o BH Airport registrava no ano base em 2017.

“Essa conquista mostra o nosso compromisso efetivo com a sustentabilidade, sobretudo no que tange às ações de descarbonização gradativa, com objetivos e metas claras para alcançar a neutralidade das emissões de carbono. Nas últimas semanas já tínhamos recebido o selo de Aeroporto Verde e tudo isso fomenta a nossa posição de aeroporto mais sustentável do país”, ressalta o diretor-presidente do BH Airport, Daniel Miranda.

Para Rafael Echevarne, diretor-geral de ACI-LAC, “é uma satisfação conceder a certificação ACA nível 3+ a BH Airport, um membro que tem feito um excelente trabalho na gestão de suas emissões. É importante destacar também que este é um marco da indústria aeroportuária no Brasil, pois BH Airport é o primeiro aeroporto no país a não apenas reduzir suas emissões diretas e envolver parceiros no compromisso com a sustentabilidade, mas compensar as emissões restantes. ACI-LAC espera que este seja um incentivo ao setor no Brasil e em toda região”.

Airport Carbon Accreditation

Único programa global de certificação para o gerenciamento de carbono aprovado para aeroportos, o ACA avalia e reconhece de forma independente os esforços dos aeroportos para gerenciar e reduzir suas emissões de carbono por meio de 6 níveis de certificação:

Nível 1 ‘Mapeamento’ (Mapping): Aeroporto mapeia sua pegada de carbono, identifica as fontes e calcula as emissões anuais.

Nível 2 ‘Redução’ (Reduction): Aeroporto comprova a redução de emissões com evidências de procedimentos e cumprimento de metas para a gestão de carbono.

Nível 3 ‘Otimização’ (Optimization): Aeroporto amplia o escopo de redução de emissões e envolve terceiros no processo.

Nível 3+ ‘Neutralidade’ (Neutrality): Aeroporto cumpre os requisitos das etapas anteriores e compensa as emissões restantes com créditos de carbono.

Nível 4 ‘Transformação’ (Transformation): Aeroporto define estratégia de gestão de carbono de longo prazo orientada para a redução absoluta de emissões.

Nível 4+ ‘Transição’ (Transition): Além de cumprir as etapas anteriores, aeroporto compensa as emissões de carbono residuais sobre as quais tem controle.

Atualmente, 557 aeroportos no mundo são certificados pelo Airport Carbon Accreditation. Na região da América Latina e Caribe, são 77 aeroportos, sendo 5 (incluindo BH Airport) certificados no nível 3+. Apenas um, El Dorado Airport, na Colômbia, atingiu o nível 4.

No Brasil, há 8 aeroportos que já conquistaram a certificação do programa ACA. São eles Floripa Airport, Vitória Airport, Macaé Airport, Aeroporto Internacional de Brasília, Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro RIOgaleão e Aeroporto Santos Dumont (nível 1); Salvador Airport (nível 3) e BH Airport (nível 3+).

Sobre a ACI-LAC

ACI-LAC é o escritório regional do Conselho Internacional de Aeroportos (Airports Council International) que representa os interesses dos operadores aeroportuários na América Latina e no Caribe. Atualmente, conta com 87 membros que operam mais de 360 aeroportos em 35 países e territórios na região da América Latina e Caribe.

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas