Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

CEO da Avantto vê impulsionamento da aviação privada no Brasil

Rogério Andrade, executivo da Avantto, empresa líder no compartilhamento de jatos e helicópteros, afirma que o setor cresceu acima do esperado

Luiz Fara Monteiro|Luiz Fara Monteiro e Luiz Fará Monteiro

Rogério Andrade, da Avantto: explicações e tendências da aviação
Rogério Andrade, da Avantto: explicações e tendências da aviação Rogério Andrade, da Avantto: explicações e tendências da aviação (Arquivo Pessoal)

A Avantto, empresa líder no compartilhamento de jatos e helicópteros e um dos principais players do mercado de aviação executiva na América Latina, marcou presença na feira Corporate Jet Investor - CJI 2024. De acordo com o CEO da empresa, Rogério Andrade, que participou da palestra “Opportunities in South American Business Aviation” em 05 de março, com outros profissionais, as perspectivas para o setor são positivas.

"Para que o mercado seja próspero é necessária a combinação de 3 fatores: capacidade econômica de se consumir os produtos e serviços oferecidos, necessidade de uso e maturidade aeronáutica".

Segundo a pesquisa Global wealth report of 2023 da Wealth-X, o Brasil ganhou 120 mil novos indivíduos com pelo menos 30 milhões de dólares em ativos em 2022. Atualmente, existem cerca de 370 mil clientes potenciais de serviços aéreos privados no país.

“Há cerca de cinco mil imóveis de alto padrão somente no litoral e interior de São Paulo e Rio de Janeiro. Outros destinos de lazer, principalmente na região Nordeste, também estão se tornando populares para o público potencial, mas contam com pouquíssimos ou nenhum voo comercial direto e o acesso até esses locais geralmente é feito por estradas de pista única e mal conservadas. Esta é uma lacuna de mercado que as aeronaves privadas podem preencher muito bem. Adicionalmente, viajantes de negócios, especialmente aqueles com necessidade de deslocamento fora dos principais hubs de aviação comercial, perdem muito tempo em viagens.", explica, reforçando a questão da necessidade de uso.

Publicidade

Segundo os dados fornecidos pela ANAC, existem atualmente no Brasil quase 10.000 aeronaves privadas em operação, fazendo com que a frota nacional seja a segunda maior do planeta. “A cultura de uso de aeronaves privadas já é presente no país. A boa notícia é que, se compararmos com o mercado consumidor potencial, existe ainda muito espaço para crescimento", explica Andrade.

Se depender da ANAC, a velocidade de crescimento da aviação privada será ainda maior. "Medidas como a MP Voo Simples, que trouxe uma série de contribuições para o setor, a certificação de novas modalidades de serviço como o regulamento RBAC-91K de Administrador de Propriedade Compartilhada e os planos de investimento em infraestrutura aeroportuária no Brasil, que preveem a construção de 120 novos aeroportos até 2026, além dos 120 bilhões de reais que serão investidos nos aeroportos para melhorias nos próximos anos, estimularão a adoção da aviação privada como meio de transporte”, pontuou o executivo.

Publicidade

Crescimento em números

Segundo dados de monitoramento em tempo real da Agência Nacional da Aviação Civil (ANAC), no ano de 2023, ao todo, 663 novas matrículas foram realizadas, contra apenas 115 matrículas canceladas.

Publicidade

Considerando que o Brasil tinha uma frota de 9.723 aeronaves em julho de 2023, com uma perspectiva de chegar a 10 mil até o final do ano, os números da ANAC confirmam um crescimento acima do esperado no setor de aviação geral.

Na Avantto, houve um crescimento de 23% no faturamento entre 2022 e 2023. Para Rogério, é hora de aproveitar o bom momento para continuar ampliando as frentes do negócio.

Publicidade

“Sempre operamos com os modelos de aviões e helicópteros mais modernos do mercado, atendendo as mais variadas necessidades de transporte executivo e de lazer. Com o sistema de compartilhamento de aeronaves, garantimos 100% de disponibilidade nas solicitações de voo, reduzimos o investimento na aquisição dos ativos e os custos fixos mensais dos cotistas que, quando voam, só pagam pelos custos variáveis - isso leva a uma redução de até 95% do investimento e despesas. Essa estratégia, combinada ao cenário promissor do segmento no Brasil, nos levou a este crescimento e pretendemos continuar assim nos próximos anos”, finaliza.

Sobre a Avantto

A Avantto é líder no segmento de compartilhamento de aeronaves executivas na América Latina. Com mais de doze anos no mercado, a companhia já se tornou uma das maiores do setor na aviação privada. Com um portfólio que possui mais de 450 usuários ativos voando regularmente, faz mais de 1.400 decolagens mensais (jatos e helicópteros) e voa mais de 850.000km por ano.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.