Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Luiz Fara Monteiro
Publicidade

Erro de controlador causou quase colisão entre aviões no Texas, diz investigação

Aeronaves estiveram a menos de 60 metros de distância. Arremetida livrou os aviões de uma potencial tragédia

Luiz Fara Monteiro|Luiz Fara MonteiroOpens in new window

Boeing 767 da Fedex arremete e evita 737 da Southwestcolisão com Reprodução NTSB

O procedimento de arremetida, tão aterrorizado por leigos e por pessoas interessadas em fazer sensacionalismo da aviação, impediu que duas aeronaves se chocassem na pista do aeroporto Austin-Bergstrom, no Texas.

A quase colisão foi registrada em 4 de fevereiro do ano passado. Um video divulgado recentemente pelo NTSB, o Conselho Nacional de Segurança nos Transportes dos Estados Unidos, mostra por meio de recurso gráfico, a dimensão da gravidade do incidente.

Investigadores confirmaram que o Boeing 767 de carga da FedEx, chegou a menos de 60 metros de atingir um Boeing 737 da Southwest Airlines no ano passado em Austin, Texas, depois que ambos foram autorizados a usar a mesma pista.

Os pilotos da FedEx visualizaram a aeronave da Southwest segundos antes de concluírem a aproximação e optaram pela arremetida, procedimento previsto para situações semelhantes, que visa sempre a segurança de voo.

Publicidade

O avião da Southwest que transportava 128 pessoas, entre passageiros e tripulantes.

“Este incidente poderia ter sido catastrófico se não fosse pelas ações heróicas da tripulação da FedEx”, disse Jennifer Homendy, presidente do Conselho Nacional de Segurança nos Transportes, no início da audiência do painel sobre a situação, como informa reportagem da CBS.

Publicidade

O conselho de segurança de cinco membros ouviu as descrições do incidente dos investigadores e esperava-se que votasse sobre uma causa provável do incidente ainda na quinta-feira.

O controlador de tráfego aéreo disse que esperava que o jato da Southwest – que ele não conseguia ver através da neblina – decolasse mais rapidamente. Em retrospectiva, disse o controlador, ele poderia ter feito a tripulação da Southwest esperar até que o Boeing 767 da FedEx pousasse.

Publicidade

Os investigadores do NTSB disseram que os controladores em Austin não haviam treinado recentemente nem trabalhado em condições de baixa visibilidade. “Como resultado”, disse o investigador Brian Soper, o controlador que autorizou os dois aviões a usarem a mesma pista “não estava adequadamente preparado para lidar com o tráfego” naquela manhã.

Os investigadores apontaram que o aeroporto de Austin carecia de tecnologia de rastreamento terrestre baseada em radar – em uso em 43 outros aeroportos dos EUA – que teria ajudado o controlador a rastrear os aviões. A Administração Federal de Aviação anunciou planos para disponibilizar a tecnologia de rastreamento baseada em GPS para mais aeroportos, incluindo Austin.

Os investigadores também notaram que os pilotos da Southwest ainda estavam a 550 pés da pista quando disseram que estavam prontos para decolar. Quando chegaram à pista, esperaram mais tempo para ligar os motores. Os pilotos deveriam ter dito ao controlador que precisavam de mais tempo, disse o investigador Warren Abrams, ex-comandante de avião.

O membro do conselho, Michael Graham, classificou o incidente como uma falha na segurança da aviação.

“Tínhamos duas aeronaves a menos de 60 metros uma da outra e isso não deveria acontecer”, disse Graham. Ele observou a falta de radar terrestre no aeroporto ou de avisos de uma possível colisão para os pilotos. Ele disse que no julgamento e na tomada de decisões, o controlador de tráfego aéreo e a tripulação da Southwest falharam.

“Se não fosse pela última hora da equipe da FedEx, poderíamos ter uma discussão diferente hoje”, disse Graham.

O copiloto da FedEx, Robert Bradeen Jr., estava na plateia na sessão do NTSB de quinta-feira e foi aplaudido. O capitão da FedEx, Hugo Carvajal III, que não estava na audiência, disse anteriormente aos investigadores que ficou irritado e perplexo quando ouviu o controlador autorizando o jato da Southwest a decolar da mesma pista da qual estava se aproximando.

O incidente foi um dos vários no ano passado que levaram a Administração Federal de Aviação a convocar uma “cúpula de segurança” dos participantes da indústria da aviação.

Funcionários da FAA sustentaram que a aviação dos Estados Unidos nunca foi tão segura. No entanto, um painel de peritos independentes concluiu no ano passado que a margem de segurança está a diminuir e que a FAA necessita de melhor pessoal e tecnologia para gerir o espaço aéreo do país.



Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.