Luiz Fara Monteiro Regulação dificulta substituição do plástico descartável na aviação

Regulação dificulta substituição do plástico descartável na aviação

Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) ressalta que o descarte inadequado de plásticos de uso único (SUP) e seu impacto no ambiente marinho é um desafio fundamental para nossos tempos

IATA: regulação assimétrica dificulta a substituição do plástico descartável

IATA: regulação assimétrica dificulta a substituição do plástico descartável

iStock- IATA

De acordo com a National Geographic, 8,3 bilhões de toneladas de plástico foram produzidas desde 1950 e 6,3 bilhões de toneladas acabaram como lixo. Pesquisa do Fórum Econômico Mundial (WEF) indica que a produção de plástico dobrará nos próximos 20 anos e, com baixas taxas globais de reciclagem de plástico, grande parte disso pode acabar nos oceanos. Pior ainda, o plástico nos oceanos se decompõe lentamente e representará uma ameaça à vida marinha por centenas de anos.

Embora os resíduos de cabine estejam sujeitos a controles rigorosos que minimizam o risco de despejo de plásticos da aviação no mar, as companhias aéreas estão prontas com os passageiros para assumir o desafio de substituir o SUP por produtos alternativos de bordo mais sustentáveis. No entanto, uma série de barreiras regulatórias e técnicas estão impedindo o progresso.

Substituição de SUP

Embora os produtos SUP sejam amplamente utilizados na aviação, oferecendo uma ampla variedade de benefícios, incluindo segurança, higiene e leveza, nos últimos cinco anos, pelo menos 27 companhias aéreas da IATA iniciaram iniciativas de substituição de SUP. A pandemia reverteu essa tendência com os reguladores exigindo o uso de máscaras de SUP e alimentos e bebidas lacrados.

Para complicar ainda mais as coisas, as companhias aéreas estão sendo desafiadas por regulamentos SUP assimétricos.

Aeroportos, autoridades regionais e governos nacionais em todo o mundo estão correndo para introduzir regras SUP. Na ausência de coordenação e cooperação, isso deixou as companhias aéreas com um problema. Eles cumprem as restrições no aeroporto de partida ou chegada?

Além disso, a segurança da aviação exige o uso de certos produtos SUP, incluindo sacolas plásticas resseláveis ​​para líquidos, aerossóis e géis (LAGs) e sacolas seguras e invioláveis ​​(STEBs) para produtos isentos de impostos.

Além disso, não há evidências de que os regulamentos estejam levando em consideração as emissões relacionadas ao transporte com base na avaliação do ciclo de vida (LCA), uma vez que a substituição por produtos reutilizáveis ​​invariavelmente leva a uma geração aprimorada de CO2. Com efeito, as companhias aéreas podem contribuir inadvertidamente para o deslocamento da poluição, de um problema marinho percebido para um problema de mudança climática.

Os regulamentos internacionais de resíduos de catering (ICW) adicionam uma camada adicional de complexidade. Os resíduos de voos internacionais são frequentemente rotulados como bioperigosos, exigindo incineração, esterilização ou enterro em aterros profundos. Isso significa que itens alternativos de uso único, incluindo louças e talheres biodegradáveis, não podem ser reutilizados, reciclados ou biotratados.

As companhias aéreas estão relatando que produtos alternativos são caros, não estão disponíveis em escala ou têm benefícios de sustentabilidade duvidosos.

Acordo PNUMA

A situação pode melhorar em 2024. Foi quando o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) se comprometeu a finalizar um acordo juridicamente vinculativo sobre o ciclo de vida dos plásticos – desde a produção até o descarte.

Na 78ª Assembleia Geral da IATA em Doha, Qatar, Sheila Aggarwal-Khan , Diretora da Divisão de Economia do PNUMA, explicou a importância do acordo proposto. “Há muito que pode ser feito com o ciclo de vida do plástico”, disse ela. “O acordo iniciaria a transição para uma indústria circular de plástico.”

A montante, trata-se de deixar de usar combustíveis fósseis para produzir plástico. Uma estimativa sugere que 20% do petróleo do mundo poderia ser usado para produzir plástico até 2050. Há vários aditivos no processo de produção de plástico também. Alguns serão necessários – permitindo que o plástico seja moldado, por exemplo – mas outros podem ser supérfluos ou ter alternativas sustentáveis.

Mid-stream, trata-se de reutilização. Isso é visto com mais frequência em garrafas plásticas, mas o conceito pode ser estendido.

A jusante, trata-se de ter opções de reciclagem. Um grande problema são os produtos químicos liberados. Lidar com isso não é apenas muito caro, mas vem com sua própria pegada de carbono enorme, anulando o propósito.

Melhores Práticas

Aggarwal-Khan sugeriu que a indústria deve estabelecer metas para pressionar os governos a definir as políticas apropriadas para ajudá-los a atingir essas metas e contribuir para o processo de negociação do tratado de plástico para garantir que suas preocupações sobre assimetria sejam abordadas.

O Conselho Consultivo de Sustentabilidade e Meio Ambiente (SEAC) já formou um Grupo de Trabalho de Cabine Sustentável que visa identificar e revisar questões de resíduos de cabine e SUP e legislação e tecnologia emergentes. O Grupo de Trabalho fornecerá uma plataforma para as companhias aéreas compartilharem as melhores práticas e aconselhar em áreas que requerem suporte técnico, pesquisa ou envolvimento regulatório. Orientações sobre a harmonização dos regulamentos de SUP para reguladores já estão disponíveis.

Jon Godson, Diretor Assistente de Sustentabilidade da IATA, afirma que “regulamentos inadequados e assimétricos são o principal desafio para melhorar o desempenho dos resíduos de cabine, contribuindo para a economia circular e substituindo SUPs por alternativas sustentáveis. As companhias aéreas e seus provedores de serviços precisam coordenar ações para promover mudanças regulatórias, fornecer sinais de demanda ao mercado emergente por produtos sustentáveis ​​e incentivar o desenvolvimento de infraestrutura adequada de reciclagem, reutilização e recuperação.

“A falta de um padrão global de sustentabilidade do produto, que pode ser usado para demonstrar não apenas a integridade, composição e higiene do produto, mas também os benefícios ambientais, incluindo emissões, certificação de biomassa e conteúdo reciclado, impedirá o investimento e a substituição”, conclui Godson.

Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas