Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Luiz Fara Monteiro
Publicidade

Brasil registra 52 milhões de passageiros em aeroportos nos três primeiros meses do ano

Tráfego de passageiros nos aeroportos da América Latina e Caribe cresceu 5,5% no primeiro trimestre de 2024

Luiz Fara Monteiro|Luiz Fara MonteiroOpens in new window

Aeroportos da América Latina e Caribe: crescimento de 5,5% no tráfego (Inframerica)

O Conselho Internacional de Aeroportos para América Latina e Caribe (ACI-LAC) apresenta os dados preliminares de tráfego de passageiros nos aeroportos da região no primeiro trimestre de 2024 frente aos números do primeiro trimestre de 2023. O Brasil registrou 52 milhões de passageiros no período.

O crescimento do volume de passageiros nos três primeiros meses de 2024 em relação ao mesmo período de 2023 foi de 5,5%.

As informações compiladas por ACI-LAC indicam que o país que apresentou, em termos percentuais, os melhores resultados em relação ao mesmo período do ano anterior foi o Uruguai, com um crescimento de 28,6%, seguido pelo Peru (+21,4%) e Chile (+18,9%). O Equador foi o único país que apresentou uma ligeira diminuição (-2,8%) no movimento de passageiros no primeiro trimestre de 2024.

O Brasil continua a ser o principal mercado da América Latina e Caribe, com 52 milhões de passageiros, um crescimento de 2,5% em relação ao ano anterior, seguido pelo México, que apresentou um crescimento de 1,3% e um volume de passageiros de mais de 45 milhões de pessoas.

Publicidade

Rafael Echevarne, diretor-geral da ACI-LAC, comemora o resultado nos três primeiros meses do ano.

“O transporte aéreo é fundamental para o crescimento econômico e social da América Latina e do Caribe, por isso celebramos este crescimento que demonstra o grande potencial da nossa região”.

Publicidade

As estatísticas de ACI-LAC baseiam-se em dados de tráfego de passageiros nos aeroportos mais movimentados da região, que representam mais de 90% do tráfego total na América Latina e no Caribe.



Os textos aqui publicados não refletem necessariamente a opinião do Grupo Record.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.