Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Mortes violentas caem 15% no Rio; número de vítimas é o menor desde 1991

Por dia, foram retiradas 15 armas de fogo das mãos de criminosos, o que representa uma média de dois fuzis a cada 24 horas

Rio de Janeiro|Da Agência Brasil

15 armas foram apreendidas por dia no mês de janeiro
15 armas foram apreendidas por dia no mês de janeiro 15 armas foram apreendidas por dia no mês de janeiro (Arquivo/Agência Brasil)

Em janeiro, o índice de letalidade violenta no estado do Rio de Janeiro caiu 15% em relação ao mesmo mês de 2023.

O indicador, que engloba homicídio doloso, lesão corporal seguida de morte, roubo seguido de morte e morte por intervenção por agente do estado, apresentou o menor número de vítimas desde 1991, quando iniciou a série do ISP (Instituto de Segurança Pública).

“É importante destacar que as mortes por intervenção de agente do Estado caíram 45% no mesmo período - foi o menor número de mortes desde 2016. Os homicídios dolosos também registraram queda [3%], o menor número de vítimas desde 1991”, diz o ISP.

Os crimes contra o patrimônio, como roubos de carga e de rua, também sofreram declínios em janeiro. Os roubos de carga caíram 34%. Foram 205 casos, 107 roubos a menos quando comparados com janeiro de 2023. Este foi o menor número de ocorrências desde 1999.

Continua após a publicidade

Ainda em janeiro, os roubos de rua (roubo de aparelho celular, roubo a transeunte e roubo em coletivo) apresentaram recuo, registrando o menor número de casos desde 2005.

Armas recolhidas

Por dia, foram retiradas 15 armas de fogo das mãos de criminosos — dois fuzis a cada 24 horas. Além disso, as polícias Civil e Militar prenderam 3.430 pessoas em flagrante em janeiro e registraram, no mesmo período, 1.916 apreensões de drogas.

“Quando analisamos que crimes com a letalidade violenta e roubos de carga estão acusando quedas consecutivas, mês após mês, concluímos que nossas forças de segurança estão fazendo um ótimo trabalho. Esses resultados são frutos da integração entre as polícias civil e militar e a Secretaria de Segurança Pública” disse a diretora-presidente do ISP, Marcela Ortiz.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.