Rio de Janeiro MP-RJ denuncia quatro PMs por morte de jovem em 2018

MP-RJ denuncia quatro PMs por morte de jovem em 2018

Lucas Azevedo Albino, de 18 anos, foi morto por tiros de fuzil após abordagem policial na Pavuna, zona norte do Rio

  • Rio de Janeiro | Victor Tozo, do R7*

Lucas Azevedo Albino tinha 18 anos quando foi morto na Pavuna

Lucas Azevedo Albino tinha 18 anos quando foi morto na Pavuna

Reprodução/Record TV Rio

O MP-RJ (Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro) denunciou, nesta sexta-feira (25), quatro policiais militares pelo homicídio duplamente qualificado do jovem Lucas Azevedo Albino, de 18 anos. Ele foi morto após uma abordagem policial na Pavuna, zona norte da cidade, em dezembro de 2018.

De acordo com o MP, Lucas estava na garupa de uma moto, quando foi atingido no ombro após uma tentativa de abordagem e breve perseguição. Ele caiu no chão e o condutor da moto, não identificado, conseguiu escapar.

Na abordagem, Lucas, ferido, apelou aos agentes, afirmando que não era criminoso e pedindo a presença da mãe. Diante de testemunhas, os PMs conduziram o jovem à caçamba da viatura, na qual o levariam até o Hospital Estadual Carlos Chagas, em Marechal Hermes.

A denúncia afirma que, no trajeto para o hospital, um dos agentes denunciados, junto com os demais, efetuou um segundo disparo na cabeça de Lucas, “com vontade livre e consciente e inequívoco propósito homicida”.

O laudo de necrópsia do jovem atestou que ele sofreu a fratura de todos os ossos do crânio e laceração do encéfalo, que levaram à morte imediata.

O Ministério Público descreve que, para dar aparência de legalidade à ação, os denunciados prosseguiram com o deslocamento do corpo de Lucas até o hospital. Depois, apresentaram à autoridade policial cargas de drogas, um rádio-transmissor e uma granada de mão, que estariam em posse do jovem, segundo os agentes.

A denúncia considera que o crime foi cometido quando Lucas já estava ferido e subjugado, eliminando qualquer chance de defesa, e que configurou uma “atividade típica de grupo de extermínio”.

Procurada, a Polícia Militar encaminhou a seguinte nota:

"A Assessoria de Imprensa da Secretaria de Estado de Polícia Militar informa que os referidos policiais seguem afastados de suas funções. Um inquérito foi instaurado pela área correcional da Corporação e foi encaminhado ao Ministério Público, onde segue em curso."

Relembre o caso

Lucas Azevedo Albino foi morto no dia 30 de dezembro de 2018. Na ocasião, sua mãe, Laura Ramos de Azevedo, acusou policiais militares do 41º BPM (Batalhão de Irajá) de serem os responsáveis pela morte do filho.

Segundo Laura, Lucas e um amigo estavam em motocicleta em um posto de combustíveis quando uma viatura da PM apareceu e fez disparos. Uma testemunha contou que o jovem foi atingido nas costas e foi socorrido pelos próprios policiais. Lucas era filho único e não tinha antecedentes criminais.

Na época, a PM afirmou que os policiais envolvidos na ação registraram uma ocorrência na Central de Garantias, na Cidade da Polícia. Segundo os agentes, eles tentaram abordar uma dupla em atitude suspeita, mas foram atacados por criminosos que estavam do morro da Pedreira.

Ainda de acordo com os PMs, os ocupantes da moto fugiram do local efetuando disparos contra a guarnição. “Após o confronto, um suspeito foi encontrado ferido com uma granada, um rádio comunicador e drogas."

*Estagiário do R7, sob supervisão de Clarice Sá

Últimas