Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Polícia Federal investiga supostas fraudes na área de saúde em Volta Redonda (RJ)

Operação Vírus cumpre 10 mandados em seis cidades do estado. Investigação começou em 2020, com base em denúncia anônima

Rio de Janeiro|Da Agência Brasil

Polícia Federal cumpre mandados de busca
Polícia Federal cumpre mandados de busca Polícia Federal cumpre mandados de busca (Divulgação/ Polícia Federal)

A Polícia Federal faz, nesta terça-feira (26), uma operação para apurar supostas irregularidades durante processo de contratação de serviços de caráter emergencial durante a pandemia de Covid-19 pela prefeitura de Volta Redonda, no sul do estado do Rio de Janeiro. A operação Vírus cumpre dez mandados de busca e apreensão.

Os mandados — expedidos pela 2ª Vara Federal de Volta Redonda — estão sendo cumpridos em residências e escritórios ligados aos investigados, nos municípios de Volta Redonda, Rio Claro, Pinheiral, Barra do Piraí, Paraíba do Sul e Rio de Janeiro.

Sem licitação

Segundo a PF, a investigação começou ainda em 2020, com base em uma denúncia anônima. Os policiais encontraram indícios de irregularidades em um processo de dispensa de licitação relativo à contratação de serviços para instalação de equipamentos em um hospital de campanha montado para atender pacientes com Covid-19, no valor de R$ 1,6 milhão.

A investigação da PF constatou, ainda, que houve superfaturamento na contratação dos serviços, irregularidades na apresentação de documentos, direcionamento do objeto a ser contratado, uso de empresas de fachada e conluio entre empresas, agentes políticos e servidores públicos.

Publicidade

A Polícia Federal informou, no Rio de Janeiro, que, além dos crimes licitatórios, os investigados poderão responder por associação criminosa, peculato e lavagem de dinheiro.

Procurada pela Agência Brasil, a prefeitura de Volta Redonda informou que a operação é referente às ações da gestão anterior, com fatos ocorridos em 2020. "Assumimos em 2021 e não temos qualquer relação com os fatos investigados", diz a nota.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.