Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

PF investiga organização criminosa suspeita de desviar R$ 50 milhões do Auxílio Emergencial

Investigações começaram em 2020; agentes cumprem 47 mandados de busca e dois de prisão preventiva em 12 estados

São Paulo|Do R7

Objetivo é punir os suspeitos e recuperar os valores roubados
Objetivo é punir os suspeitos e recuperar os valores roubados Objetivo é punir os suspeitos e recuperar os valores roubados

A Polícia Federal de Campinas iniciou, na manhã desta terça-feira (7), a Operação Apateones, que visa a desarticular organizações criminosas que fraudaram o programa Auxílio Emergencial. O objetivo, segundo a corporação, é punir os integrantes e recuperar os valores roubados, que ultrapassam R$ 50 milhões.

Leia também

A 9ª Vara Federal de Campinas expediu 47 mandados de busca e 2 mandados de prisão preventiva em 12 estados da Federação: Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Paraná, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Rondônia, São Paulo e Tocantins, além do Distrito Federal. Ao todo, 200 agentes trabalham para o cumprimento da ação.

Além das medidas de busca, foi autorizado o bloqueio de bens e valores encontrados em nome dos investigados. Os 37 suspeitos estão sendo investigados pelos crimes de furto mediante fraude, estelionato e organização criminosa. As penas somadas ultrapassam 22 anos de reclusão.

Início das investigações

As investigações foram iniciadas em agosto de 2020 após dados encaminhados pela Caixa Econômica Federal à Policia Federal em Brasília terem mostrado 91 benefícios de Auxílio Emergencial fraudados, no valor total de R$ 54,6 mil, desviados para duas contas bancárias de pessoa física e de pessoa jurídica em Indaiatuba (SP). Em seguida, a Delegacia de Polícia Federal em Campinas revelou milhares de outras fraudes.

Continua após a publicidade

As transações foram rastreadas, e inicialmente os resultados apontaram os estados de Goiás e Rondônia como principais locais onde ocorreram as fraudes. Os agentes descobriram que a residência de Rondônia pertencia a familiares da pessoa que era investigada em Indaiatuba.

Segundo a PF, os investigados receberam valores provenientes de cerca de 360 contas do Auxílio Emergencial fraudadas por meio de pagamento de boletos e transferências bancárias.

Houve quebra de sigilos bancários e análises de RIFs (Relatórios de Inteligência Financeira), que constataram que a organização criminosa movimentou valores que ultrapassam os R$ 50 milhões, com mais de 10 mil contas fraudadas.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.