Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Suspeito do assassinato de professor no parque Trianon há 20 anos é preso no Paraguai

Daniel Enrique Sanchez Rosales é acusado de arquitetar um roubo e estrangular o jornalista André Alberto Florêncio de Melo 

São Paulo|Do R7

Entrada do Parque Trianon, na avenida Paulista
Entrada do Parque Trianon, na avenida Paulista Entrada do Parque Trianon, na avenida Paulista

Um foragido da Justiça brasileira há duas décadas foi preso pela polícia do Paraguai. Daniel Enrique Sanchez Rosales é acusado de ter arquitetado um roubo e estrangulado o jornalista e professor universitário André Alberto Florêncio de Melo no dia 3 de abril de 2003. Os dois haviam se encontrado no Parque Trianon, na avenida Paulista, em São Paulo.

Rosales foi preso na quarta-feira (1°). Sua detenção foi comunicada à Justiça brasileira. Ele nunca foi ouvido pela polícia nem pela Justiça. O fato de já haver denúncia aceita contra ele interrompe a contagem do prazo de prescrição — que estaria consumada em abril deste ano.

De acordo com o jornal paraguaio ABC, Rosales foi encontrado no cruzamento das avenidas Nanava e Adrian Jara, a 1,5 km da ponte da Amizade.

No início das investigações, a polícia de São Paulo concentrava as buscas a Rosales no município de Embu das Artes (Grande São Paulo). Mas ele acabou sendo encontrado em Ciudad del Este, no Paraguai, fronteira com Foz do Iguaçu, por meio do trabalho conjunto da Inteligência das polícias brasileira, paraguaia e argentina.

Publicidade

Na época do crime, Rosales era estudante de turismo e aluno de André Alberto Florêncio Melo.

O Ministério Público de São Paulo afirma que o acusado era garoto de programa e já tinha ido a dois encontros com o professor, um deles no apartamento da vítima. Atraído por bens de valor, Rosales forjou um assalto, passando-se por vítima. Três cúmplices dele participaram do crime — Cristiano Sanches dos Santos, Romeu Ribeiro dos Santos e Stefano Leandro Sanches. Segundo a Promotoria, Rosales foi o mentor do assalto.

Publicidade

A polícia descobriu que Rosales marcou um encontro com o professor à meia-noite do dia 3 de abril de 2003 no Parque Trianon, que fica na avenida Paulista. Quando os dois estavam no carro de Melo, dois parceiros de Rosales — Romeu e Cristiano — se aproximaram e simularam um assalto, mas a vítima percebeu que eles se conheciam.

Leia também

Já na companhia de Stefano, o grupo matou o professor por enforcamento com o próprio cinto dele. O corpo de André Alberto Florêncio de Melo foi encontrado perto da estação de trem de Itapevi, na Grande São Paulo. Romeu, Cristiano e Stefano acusaram Rosales de envolvimento no assassinato.

Publicidade

Melo chegou a ser sepultado como indigente, mas seu corpo foi exumado.

Os três cúmplices de Rosales foram condenados a 40 anos de prisão pelo juiz Rodolfo Pellizari, então da 14ª Vara Criminal de São Paulo. O magistrado atribuiu a eles a prática do crime de roubo seguido de morte, e o processo de Rosales foi desmembrado.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.