Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Braço da OMS nas Américas alerta para 'ameaça tripla de doenças respiratórias' no continente

No Brasil, Fiocruz já detectou aumento das internações por síndrome respiratória aguda grave em quatro estados

Saúde|Do R7

Brasil também é afetado por aumento de doenças respiratórias
Brasil também é afetado por aumento de doenças respiratórias Brasil também é afetado por aumento de doenças respiratórias

A diretora da Opas (Organização Pan-Americana da Saúde), braço da OMS (Organização Mundial da Saúde) na região, Carissa Etienne, alertou sobre uma "ameaça tripla de doenças respiratórias" que assola o continente neste momento.

Em pronunciamento nesta quarta-feira (16), Carissa ressaltou que a forte disseminação de Covid-19, de influenza e de VSR (vírus sincicial respiratório) está "sobrecarregando nossos povos e nossos sistemas de saúde".

Na última semana, os novos casos de Covid-19 nas Américas cresceram 17%, algo que também está sendo percebido no Brasil.

A Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) detectou aumento das internações por Srag (síndrome respiratória aguda grave) causada principalmente pela Covid-19 nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Amazonas, nas primeiras semanas de novembro.

Publicidade

A Covid-19 continua a ser a principal responsável pelas hospitalizações por complicações respiratórias nas últimas quatro semanas, representando 36,9% do total. Em seguida, aparecem o vírus sincicial respiratório (26,1%), que atinge principalmente bebês e crianças, e influenza A (14,8%).

Carissa chamou atenção para o VSR, vírus contra o qual não existe vacina disponível e que tem "impacto sobre os mais vulneráveis, nossas crianças e, especialmente, bebês com menos de 1 ano de idade".

Publicidade

Ainda de acordo com a chefe da Opas, existe um aumento fora de temporada dos casos de gripe no Cone Sul (região abaixo do Trópico de Capricórnio), principalmente no Uruguai e na Argentina, que está "causando pressão inesperada nos sistemas de saúde".

Questionado especificamente sobre a situação do Brasil, o diretor de gerenciamento de ameaças infecciosas da Opas, Andrea Vicari, sublinhou que há diferenças regionais da incidência da Covid-19 no país e disse que, "em geral, esse aumento é relativamente menor do que outros aumentos que vimos no final de 2021 e até no início de 2022".

Publicidade

Para o especialista, "é esperado o aumento nesta fase em que a Covid-19 vai se transformando em uma endemia", mas "é necessária uma avaliação de risco contínua".

"Sempre que nos tornamos complacentes com este vírus [coronavírus], corremos o risco de um repique. Não podemos baixar a guarda", enfatizou a diretora da organização.

Publicidade

Os integrantes da Opas que participaram da entrevista coletiva de hoje foram unânimes ao reforçar a importância do uso de máscara para evitar as três doenças respiratórias mencionadas.

Além disso, a vacinação contra a Covid-19 e contra a gripe é fundamental para reduzir o número de casos graves e mortes e não sobrecarregar os serviços de saúde.

"Quando temos duas ou três [doenças respiratórias] impactando uma população simultaneamente, isso deve colocar todos em alerta", afirmou Carissa.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.