Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Linha do tempo: China luta contra surto de Covid três anos após o primeiro caso relatado

Atualmente, apenas a província industrial de Zhejiang registra cerca de 1 milhão de novas infecções diárias pelo coronavírus

Saúde|Do R7

China enfrenta hospitais lotados e recorde de infecções pelo coronavírus
China enfrenta hospitais lotados e recorde de infecções pelo coronavírus China enfrenta hospitais lotados e recorde de infecções pelo coronavírus

Três anos depois que a China relatou o primeiro caso oficial de Covid-19 em todo o mundo, o país está lutando contra um aumento recorde de infecções.

O primeiro caso foi relatado em 31 de dezembro de 2019 e estava vinculado ao mercado de frutos do mar de Huanan, em Wuhan.

Na época, Wuhan se tornou o epicentro do surto de Covid, depois que as pessoas começaram a adoecer por uma forma misteriosa de pneumonia.

"Hoje, a Comissão de Saúde e Planejamento Familiar de Wuhan, província de Hubei, informou a última atualização sobre a pneumonia causada por um vírus desconhecido. O exame do patógeno já foi concluído, e os diagnósticos provisórios mostraram 41 casos de pneumonia causada por um novo tipo de coronavírus preliminarmente determinado, incluindo duas pessoas que já deixaram o hospital, sete em estado grave, um morto. Outros pacientes estão em estado estável", disse um âncora da televisão central da China, Hu Die, em 11 de janeiro de 2020.

Publicidade

Leia também

No entanto, alguns casos iniciais não tinham conexão conhecida com Huanan, o que sugere que o Sars-CoV-2 já estava circulando antes de chegar ao mercado.

A China concluiu a construção de um hospital de emergência em oito dias.

Publicidade

Em 21 de fevereiro, a Itália registrou sua primeira morte e fechou espaços públicos em dez cidades italianas, após confirmar 16 casos no norte da Itália em um dia. O Carnaval de Veneza foi interrompido devido ao surto.

Três anos depois, Zhejiang, uma grande província industrial perto de Xangai, na China, está lutando contra cerca de 1 milhão de novas infecções diárias por Covid-19, um número que deve dobrar nos próximos dias, disse o governo provincial no domingo (25).

Publicidade

Apesar do aumento de casos, a China não registrou mortes por Covid no continente nos cinco dias até sábado (24), informou no domingo o Centro Chinês de Controle e Prevenção de Doenças.

Cidadãos e especialistas pediram dados mais precisos à medida que o número de infecções aumentou, depois que Pequim fez mudanças radicais em sua política de "Covid zero", que pôs centenas de milhões de seus cidadãos sob bloqueios implacáveis ​​e atingiu a segunda maior economia do mundo.

Os números nacionais da China ficaram incompletos quando a Comissão Nacional de Saúde parou de relatar infecções assintomáticas, o que dificultou o rastreamento de casos. No domingo, a comissão parou de relatar números diários.

Zhejiang está entre as poucas áreas a estimar seus picos recentes de infecções, incluindo casos assintomáticos.

A província, com uma população de 65,4 milhões, disse que, entre as 13.583 infecções tratadas nos hospitais da província, um paciente apresentou sintomas graves causados ​​pela Covid, enquanto 242 infecções graves e críticas foram provocadas por doenças subjacentes.

A China estreitou sua definição para relatar mortes por Covid, e contabiliza apenas aquelas causadas por pneumonia ou insuficiência respiratória causada pelo coronavírus, o que causa um levantar as sobrancelhas entre os especialistas mundiais em saúde.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) não recebeu dados da China sobre novas hospitalizações por Covid desde que Pequim aliviou suas restrições.

A organização diz que a lacuna de dados pode ser devido à luta das autoridades para registrar os casos no país mais populoso do mundo.

O sistema de saúde chinês está sob enorme pressão, com funcionários solicitados a trabalhar enquanto estão doentes e até mesmo médicos aposentados em comunidades rurais recontratados para ajudar nos esforços de base, segundo a mídia estatal.

Para reforçar a urgência, está a aproximação do Ano-Novo Lunar, em janeiro, quando um grande número de pessoas volta para casa.

As visitas às clínicas de febre de Zhejiang atingiram o número de 408.400 por dia — 14 vezes os níveis normais — na semana passada, disse uma autoridade de Zhejiang em entrevista coletiva.

Os pedidos diários para o centro de emergência na capital de Zhejiang, Hangzhou, recentemente mais do que triplicaram em relação ao nível do ano passado, informou a televisão estatal no domingo, e citou uma autoridade de saúde de Hangzhou.

A prefeitura da cidade de Suzhou, no leste do país, disse na noite de sábado que sua linha de emergência recebeu um recorde de 7.233 chamadas na quinta-feira (22).

A OMS declarou o surto de Covid-19 uma pandemia em 11 de março de 2020. Segundo a pasta, o número mundial de mortes por Covid é de 6,6 milhões em 23 de dezembro de 2022.

Dezembro Laranja: conheça mitos e verdades sobre o câncer de pele

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.