Saúde Médico diz que é preciso cautela com remédio contra coronavírus

Médico diz que é preciso cautela com remédio contra coronavírus

Cloroquina, ou hidroxicloroquina, que foi usado em tratamento de malária, foi usado em estudo com pequeno grupo que curou do covid-19

  • Saúde | Do R7

Medicamento antimalárico 
pode ter efeito no coronavírus

Medicamento antimalárico pode ter efeito no coronavírus

Yves Herman/Reuters

Após estudos apontarem para o possível tratamento do novo coronavírus com o medicamento antimalárico cloroquina, ou hidroxicloroquina, e o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, aprovar seu uso para tratar o covid-19, especialista alerta que é preciso ter cautela.

Leia mais notícias sobre coronavírus no R7

Segundo o infectologista Gerson Salvador, especialista em saúde pública, o medicamento “tem potencial e está sob estudo” para ser usado no tratamento de pessoas que contraírem o novo coronavírus. No entanto, segundo ele, é preciso aguardar resultados definitivos que apontem a eficácia do medicamento.

“As pessoas têm que ter prudência, aguardar os resultados definitivos dos estudos, porque a gente pode ter um grande número de pessoas tomando o medicamento que nem está comprovado ser tão eficaz, como os estudos preliminares apontam, e, além do mais, a gente pode ter um monte de gente com efeitos colaterais graves”, afirma Salvador.

Por enquanto, o estudo foi realizado em um pequeno grupo em Marselha, na França, e indicou que pessoas que fiezeram uso de cloroquina, após alguns dias, já não estavam mais com coronavírus.

Apesar dos primeiros indicativos serem animadores, Salvador alerta que “é um estudo pequeno, então para saber se o tratamento é eficaz, é necessário testar em um número grande de pessoas e, inclusive, testar os benefícios e os malefícios”.

Segundo Salvador, o medicamento foi usado originalmente contra a malária, e tem efeitos antiinflamatórios potentes, por isso é usada contra muitas doenças autoimunes. A cloroquina é usada, por exemplo, por pacientes com artrite reumatoide e outras doenças popularmente chamadas por reumatismo.

No entanto, existem os efeitos colaterais que podem afetar a visão do paciente. O infectologista explica que a cloroquina pode causar lesão no nervo óptico e causar uma perda visual.

Por isso é necessário fazer novos estudos para avaliar o uso do medicamento como tratamento do covid-19. Salvador afirma que é preciso avaliar “se o número de pacientes que vai se beneficiar e melhorar [com o uso de cloroquina] compensará o de pessoas que vão se maleficiar tendo lesões no nervo óptico e deficiência visual posterior”.

Últimas