Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Vacinas contra câncer poderão estar disponíveis em 2030, prevê farmacêutica

Moderna é pioneira no desenvolvimento da tecnologia de RNA mensageiro, que pode ser usada contra diversas doenças

Saúde|Do R7

Moderna desenvolveu vacina contra a Covid com alto nível de proteção
Moderna desenvolveu vacina contra a Covid com alto nível de proteção Moderna desenvolveu vacina contra a Covid com alto nível de proteção

A farmacêutica americana Moderna, pioneira no desenvolvimento da tecnologia de RNA mensageiro usada no imunizante contra a Covid-19, tem ambições de curto prazo no tratamento de câncer. No fim de semana, um executivo da companhia afirmou que eles pretendem ter vacinas prontas contra o câncer e outras doenças até 2030.

A tecnologia de RNA mensageiro, ou RNAm, funciona como uma espécie de receita de bolo para o nosso sistema imunológico, ao ensinar as células a produzirem resposta contra determinadas doenças sem a necessidade do uso do vírus causador delas.

A experiência adquirida com a vacina contra a Covid acelerou as pesquisas na Moderna.

"Acho que o que aprendemos nos últimos meses é que, se você já pensou que o RNAm era apenas para doenças infecciosas ou apenas para Covid, a evidência agora é que esse não é o caso. Pode ser aplicado em todos os tipos de áreas de doença; em câncer, doenças infecciosas, doenças cardiovasculares, doenças autoimunes, doenças raras", afirmou em entrevista ao jornal britânico The Guardian o diretor-médico da Moderna, Paul Burton.

Continua após a publicidade

Ainda segundo Burton, já há um horizonte em relação às vacinas contra o câncer. Todavia, ele não especificou quais tipos de tumor.

"Teremos essa vacina, ela será altamente eficaz e salvará centenas de milhares, senão milhões de vidas. Acho que seremos capazes de oferecer vacinas personalizadas contra o câncer, contra vários tipos de tumor, para pessoas em todo o mundo", declarou.

Continua após a publicidade

Um imunizante contra o câncer atuaria para alertar o sistema imunológico sobre um tumor que está em crescimento, para que o próprio organismo consiga atacar as células cancerígenas sem destruir as saudáveis.

A FDA, agência reguladora de medicamentos dos EUA, concedeu a uma vacina desenvolvida pela Moderna a designação de "terapia inovadora" no tratamento de melanoma, um tipo agressivo de câncer de pele.

Continua após a publicidade

Sob essa designação, o desenvolvimento e a revisão do medicamento pela agência ganham mais celeridade.

O ensaio clínico de fase 2 mostrou que a vacina, combinada com o medicamento de imunoterapia Keytruda, da farmacêutica Merck, reduziu em 44% a recorrência do melanoma.

Existe ainda a expectativa de vacinas para doenças raras em um horizonte de dez anos.

"Estamos nos aproximando de um mundo onde você realmente pode identificar a causa genética de uma doença e, com relativa simplicidade, editar e reparar [os genes] usando a tecnologia baseada em RNAm", explicou.

Para que isso seja possível, todavia, cientistas alegam ser necessário manter um alto nível de investimento nas pesquisas.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.