Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Elon Musk anuncia que uma mulher vai comandar o Twitter

Apesar do anúncio, o bilionário ainda vai reservar grande parte das responsabilidades da rede social para si mesmo

Tecnologia e Ciência|Do R7

Elon Musk comprou o Twitter em outubro de 2022
Elon Musk comprou o Twitter em outubro de 2022 Elon Musk comprou o Twitter em outubro de 2022

O bilionário Elon Musk, dono do Twitter, anunciou em sua conta na plataforma, nesta quinta-feira (11), que vai deixar o comando operacional da rede social e que dentro de seis semanas uma mulher — cuja identidade não foi revelada — vai assumir o posto de CEO ou diretora-executiva.

Compartilhe esta notícia no WhatsApp

Entretanto, ele ainda vai reservar grande parte das responsabilidades da rede para si mesmo, especificamente "a presidência executiva, a direção de tecnologia, a supervisão de produtos, o software e a operação de sistemas".

Desde o momento em que comprou o Twitter, em outubro do ano passado, por 44 bilhões de dólares (R$ 216,9 bilhões), Musk assumiu a direção operacional e implementou inúmeras mudanças de forma errática, o que lhe rendeu muitas críticas por pretender se encarregar da gestão diária de uma rede tão complexa.

Publicidade

Ele mesmo fez uma pesquisa online com os usuários, em dezembro do ano passado, para perguntar se deveria deixar o cargo de CEO, o que foi aprovado por 57% dos participantes. Embora tenha dito que acataria a decisão, o bilionário não o fez na ocasião. Como única resposta, ele então tuitou: "Renunciarei ao cargo de CEO assim que encontrar alguém louco o suficiente para assumir esse cargo! Depois disso, vou apenas comandar as equipes de software e servidores".

A empresa ficou muito descapitalizada ao perder quase 80% de sua equipe. Além disso, as várias fórmulas criadas por Musk para tornar a empresa lucrativa — como a cobrança por contas verificadas — se provaram um fiasco, e o empresário foi de fato forçado a devolver o status de "verificado" a contas importantes (por exemplo, órgãos de imprensa e "influenciadores" com legiões de seguidores) sem que elas precisem pagar por isso. 

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.