Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Ex-diretor da FTX se declara culpado e aumenta pressão sobre fundador da bolsa de criptomoeda

Negociadora de bitcoins é acusada de lavagem de dinheiro e conspiração para cometer fraude financeira

Tecnologia e Ciência|Do R7

Empresa tinha sede nas Bahamas
Empresa tinha sede nas Bahamas Empresa tinha sede nas Bahamas

Nishad Singh, ex-diretor de engenharia da bolsa de criptomoedas FTX, se declarou culpado de seis acusações criminais em uma audiência nesta terça-feira (28), enquanto promotores dos Estados Unidos intensificam sua investigação sobre membros do círculo íntimo de Sam Bankman-Fried.

Singh, de 27 anos, se declarou culpado de uma acusação de fraude eletrônica, três acusações de conspiração para cometer fraude, uma acusação de conspiração para cometer lavagem de dinheiro e uma acusação de conspiração para fraudar os Estados Unidos ao violar as leis de financiamento de campanha.

Bankman-Fried, fundador da FTX, se declarou inocente de oito acusações criminais apresentadas contra ele em dezembro. Os promotores dizem que ele roubou bilhões em fundos de clientes da FTX para cobrir perdas em seu fundo de hedge, Alameda Research. Ele reconheceu a gestão de risco inadequada, mas diz que não roubou fundos.

Ele agora enfrenta 12 acusações criminais depois que os promotores abriram uma nova acusação contra ele na semana passada.

Publicidade

Singh se tornou a terceira pessoa próxima de Bankman-Fried a se declarar culpada e concordou em cooperar com os promotores. Caroline Ellison, diretora-executiva da Alameda, e Gary Wang, diretor de tecnologia da FTX, se declararam culpados em dezembro de sete e quatro acusações criminais, respectivamente.

"Sinto muito pelo meu papel em tudo isso", disse Singh, acrescentando que perdeu os lucros do esquema. Ele disse que sabia em meados de 2022 que a Alameda estava emprestando fundos de clientes da FTX, e os clientes não sabiam.

Publicidade

Nas novas acusações apresentadas na semana passada, os promotores disseram que Bankman-Fried conspirou com dois outros ex-executivos da FTX para doar dezenas de milhões de dólares para influenciar os parlamentares a aprovar uma legislação favorável à empresa.

Leia também

As doações são ilegais porque foram feitas com doadores "laranja" ou fundos corporativos, afirmaram os promotores. Eles disseram que Bankman-Fried instruiu outro executivo da FTX, identificado como CC-1, a doar mais de 21 milhões de dólares a um grupo pró-LGBT.

Publicidade

Os registros da Comissão Eleitoral Federal mostram que Singh contribuiu com 1,1 milhão de dólares em 7 de julho de 2022 para o LGBTQ Victory Fund, uma organização nacional dedicada a eleger abertamente pessoas LGBTQ.

LEIA ABAIXO: Gisele Bündchen e Stephen Curry: celebridades podem perder milhões com corretora de criptomoedas

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.