Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Tecnologia e Ciência
Publicidade

FBI suspeita que hackers usam deepfake para enganar empresas e conseguir emprego nos EUA

Autoridades descobriram que imitadores estão usando informações roubadas de americanos para ser contratados

Tecnologia e Ciência|Maria Cunha*, do R7

Imitadores estão usando imagens falsas e simuladores de voz para conseguir empregos
Imitadores estão usando imagens falsas e simuladores de voz para conseguir empregos Imitadores estão usando imagens falsas e simuladores de voz para conseguir empregos

O FBI (Federal Bureau of Investigation), a polícia federal americana, relatou, na última terça-feira (28), um aumento de denúncias de pessoas que estão se candidatando a empregos por meio de vídeos manipulados a partir do uso do deepfake e até simuladores de voz. Esses recursos permitem que seja possível fingir ser uma outra pessoa em uma chamada de vídeo ou em uma gravação, por exemplo.

As suspeitas do uso da tecnologia para enganar empresas começou quando recrutadores perceberam que alguns candidatos tinham expressões estranhas quando tossiam ou espirravam.

“Nessas entrevistas, as ações e o movimento dos lábios da pessoa entrevistada na câmera não se coordenam completamente com o áudio da pessoa que fala. Às vezes, ações como tossir, espirrar ou outras ações auditivas não estão alinhadas com o que é apresentado visualmente”, explicam as autoridades americanas.

Após investigar os casos, o FBI identificou que candidatos de outros países usavam dados pessoais roubados de americanos para ser contratados. As vagas tinham que ser de trabalho remoto e de preferência em áreas de TI.

Publicidade

Inicialmente, suspeitou-se que essas pessoas não conseguiriam um emprego nos EUA por serem estrangeiros e por isso usavam o deepfake nas entrevistas. As investigações, porém, mostram que o motivo mais provável é que hackers adotaram essa estratégia para obter acesso às informações confidenciais de empresas e de clientes.

Leia também

O FBI divulgou que muitas vagas eram para cargos com acesso a dados confidenciais de funcionários ou clientes, além de informações financeiras das corporações. Com isso, a contratação desses falsos funcionários poderia deixar as empresas vulneráveis ​​a grandes violações de dados e vazamentos.

Publicidade

As autoridades americanas estão pedindo aos empregadores da área de tecnologia que registrem os casos ao suspeitarem de atividades estranhas.

*Estagiária do R7, sob supervisão de Pablo Marques

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.