Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Foguete mais ecológico do mundo está sendo desenvolvido na Escócia

Orbex Prime é movido a partir de biocombustível e produz até 96% menos emissões que outros projetos espaciais

Tecnologia e Ciência|Sofia Pilagallo*, do R7

Foguete deve ficar pronto no fim do ano que vem
Foguete deve ficar pronto no fim do ano que vem Foguete deve ficar pronto no fim do ano que vem

Um foguete considerado o mais ecológico do mundo está sendo desenvolvido na Escócia pela empresa britânica Orbex e deve ficar pronto no fim de 2022.

Movido a partir de biocombustível, o Orbex Prime, como foi nomeado, produz até 96% menos emissões que veículos operados com combustíveis fósseis e também não deixa detritos por onde passa — em terra, nos oceanos ou na atmosfera. Além disso, foi projetado para ser reutilizável, ou seja, enviado ao espaço mais de uma vez.

Novo estudo da Universidade de Exeter, na Inglaterra, concluiu que o abismo entre as emissões do Prime e as de outros veículos se deve, sobretudo, à emissão de altos níveis do chamado carbono negro, material formado pela combustão incompleta de combustíveis que contêm carbono.

A substância é uma das que mais contribuem para a mudança climática quando emitida por motores de foguetes em direção à estratosfera (a segunda camada mais próxima da Terra).

Publicidade

Ainda segundo a pesquisa, um único lançamento do Prime resultaria em emissões totais de 13,8 toneladas de CO2 equivalente (uma unidade-padrão para medir a pegada de carbono, ou seja, a quantidade de carbono emitida na atmosfera). O número é comparável ao das emissões médias criadas por uma única pessoa no Reino Unido, que é de 12,7 toneladas.

Leia também: Estudos mostram que mudanças climáticas afetam 80% do mundo

Publicidade

No momento, o número de voos de foguetes é muito baixo — em todo o ano de 2020, por exemplo, houve 114 tentativas de lançamento orbital no mundo, de acordo com a Nasa, a agência espacial americana. Apesar disso, as emissões dos foguetes são lançadas na alta atmosfera e por lá permanecem por dois a três anos.

"Acreditamos que é hora de abandonar o uso de combustíveis fósseis altamente poluentes, agora que alternativas mais eficientes e sustentáveis estão prontamente disponíveis, e esperamos ver regulamentos muito mais rígidos entrando em vigor", afirmou o CEO da Orbex, Chris Larmour.

Publicidade

"Enquanto o mundo se prepara para participar da Conferência sobre Mudanças Climáticas, COP26, em Glasgow, já mudamos de forma decisiva para uma solução totalmente sustentável que evita os perfis de emissões de carbono massivas de soluções de lançamento de combustível fóssil antiquadas", completou.

*Estagiária do R7 sob supervisão de Pablo Marques

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.