Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Notícias R7 – Brasil, mundo, saúde, política, empregos e mais
Publicidade

Reforma trabalhista começa a ser discutida em comissão na Câmara

Texto prevê flexibilização de jornadas, férias, banco de horas entre outros

Brasil|Do R7, em Brasília, com Estadão Conteúdo

Reforma trabalhista começa a ser discutida na Câmara
Reforma trabalhista começa a ser discutida na Câmara Reforma trabalhista começa a ser discutida na Câmara

Começou na manhã desta terça-feira (25) a sessão em que o relatório da reforma trabalhista deve ser votado pelos deputados. A votação do relatório, que recebeu uma série de emendas (propostas de alterações no texto), está na pauta da reunião mas ainda não começou. No início da sessão, a oposição ao governo Temer pediu que o assunto seja retirado da pauta para que haja mais tempo para discussão. 

Governo tem votos suficientes para aprovar reforma trabalhista, diz André Moura

Os principais pontos da reforma trabalhista são: acordos entre patrões e empregados valerão mais do que a lei (acordado sobre o legislado) em vários pontos como jornada de trabalho, banco de horas e divisão de férias. Alguns pontos, no entanto, como FGTS e décimo terceiro não podem ser alterados. Além disso, o texto propõe o fim da contribuição sindical obrigatória e propõe salvaguardas à terceirização, aprovada recentemente no Congresso. 

Reforma trabalhista prevê dividir período de férias

Publicidade

Antes do início da reunião, o relator da reforma trabalhista, deputado Rogério Marinho (PSDB-RN), se reuniu com alguns deputados da comissão especial para discutir possíveis alterações no texto. 

Nesta terça-feira (25), o líder da minoria na Câmara, José Guimarães (PT-CE), falou que o relator fez algumas alterações no texto final, mas que não mudaram o conteúdo essencial do projeto, que segundo ele, descontrói a CLT (Consolidação das Leis Trabalhistas).

Publicidade

— Há mudanças cosméticas, que não alteraram a desconstrução da CLT.

Guimarães afirmou que a oposição promete uma "dura obstrução no plenário" e vai pedir a votação de destaque por destaque do projeto. Ele criticou a tentativa de se votar a proposta "de qualquer jeito" na quarta-feira.

Publicidade

— Não vamos votar uma matéria a toque de caixa.

Na semana passada, o governo aprovou, apenas na segunda tentativa, a urgência do projeto. Com a aprovação a tramitação é mais rápida na Câmara. A expectativa dos partidos da base governista é aprovar o relatório na comissão nesta terça para que o texto seja votado no plenário nesta quarta (26). Para aprovação, o governo precisa de 257 votos favoráveis. 

PSB

Nesta segunda-feira (24), o PSB decidiu fechar questão contra as reformas trabalhista e previdenciária. Em um discurso de oposição, o presidente da sigla, Carlos Siqueira, disse que a decisão inviabiliza a participação do partido no governo Michel Temer. Ele disse que o partido nunca integrou o governo Temer e que nunca solicitou cargos no Executivo, que a escolha do deputado licenciado Fernando Coelho Filho (PE) para o Ministério de Minas e Energia foi decisão pessoal de Temer.

— O PSB não se vê obrigado em votar matérias que são contraditórias com sua história, com seu programa. 

PSOL vai ao STF para derrubar votação de urgência da reforma trabalhista

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.