Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Brasília
Publicidade

100 dias dos atos extremistas: vandalismo deixou R$ 20,7 milhões de prejuízo, e 294 seguem presos

STF abriu sete inquéritos sobre executores materiais, autores intelectuais, financiadores e agentes públicos envolvidos

Brasília|Gabriela Coelho, do R7, em Brasília

Manifestantes extremistas durante invasão do Congresso Nacional em atos antidemocráticos
Manifestantes extremistas durante invasão do Congresso Nacional em atos antidemocráticos Manifestantes extremistas durante invasão do Congresso Nacional em atos antidemocráticos

Os atos extremistas que resultaram na depredação dos prédios dos Três Poderes, em Brasília, completam cem dias nesta terça-feira (18), com um prejuízo material de R$ 20,7 milhões. Das 1.390 pessoas denunciadas, 294 continuam presas; são 208 homens e 86 mulheres.

Nesta terça, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes votou para que os cem primeiros denunciados pelos atos extremistas se tornem réus. O julgamento no plenário virtual vai até a próxima segunda (24).

O STF abriu sete inquéritos sobre executores materiais, autores intelectuais, financiadores e agentes públicos que possam estar envolvidos nos atos extremistas.

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) é um dos investigados em inquérito que foca as investigações sobre a responsabilidade de autores intelectuais dos atos e daqueles que instigaram as invasões e depredações.

Publicidade

Entre as autoridades alvos das ações também estão o ex-secretário de Segurança Pública do DF Anderson Torres e o ex-comandante da PMDF Fábio Augusto Vieira. Torres é suspeito de omissão e está preso há mais de três meses em uma cela especial no Distrito Federal. Ele tem autorização para receber visita apenas da esposa e dos advogados.

Anderson Torres, ex-ministro da Justiça e Segurança Pública e ex-secretário de Segurança do DF
Anderson Torres, ex-ministro da Justiça e Segurança Pública e ex-secretário de Segurança do DF Anderson Torres, ex-ministro da Justiça e Segurança Pública e ex-secretário de Segurança do DF

Em fevereiro, o ministro Alexandre de Moraes decidiu que cabe à Corte julgar militares eventualmente envolvidos nos atos. O ministro também abriu investigação sobre a participação de militares da Polícia Militar do DF e das Forças Armadas.

Publicidade

Em março, Moraes autorizou o retorno do governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), ao cargo. Ibaneis estava afastado desde 9 de janeiro, por decisão do próprio Moraes, por suposta omissão nos atos extremistas.

Leia também

A presidente do STF, ministra Rosa Weber, e o ministro Alexandre de Moraes já fizeram duas visitas aos presos que foram denunciados por envolvimento nos atos no Complexo da Papuda

Publicidade

Antes da visita aos presos, os ministros ouviram as considerações da direção, inclusive, com relação à necessidade de maior número de agentes policiais, de forma a permitir que o complexo prisional esteja operacional em sua totalidade.

Veja abaixo: móveis e vidraças ficam quebrados no STF, Congresso e Palácio do Planalto

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.