Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

'Assédio eleitoral é uma prática absolutamente semelhante à do crime organizado', diz Moraes

A afirmação do presidente do TSE foi dada nesta terça, durante a assinatura de um acordo que objetiva combater a prática

Brasília|Gabriela Coelho, do R7, em Brasília

Moraes e José Pereira, procurador-geral do Trabalho
Moraes e José Pereira, procurador-geral do Trabalho Moraes e José Pereira, procurador-geral do Trabalho

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o ministro Alexandre de Moraes, disse, nesta terça-feira (16), que o "assédio eleitoral é uma prática absolutamente semelhante à do crime organizado: ameaçar votar em candidatos sob pena de perder o emprego". A afirmação foi dada ao lado do procurador-geral do Trabalho (PGT), José de Lima Pereira, durante a assinatura de um acordo de cooperação que tem como objetivo combater essa prática no período das eleições.

"É uma grande ameaça à própria democracia. O voto é sigiloso. De nada adianta o voto ser sigiloso se a pessoa não tem liberdade. O assédio ataca isso: a liberdade e o sigilo", afirmou Moraes, que também é ministro do Supremo Tribunal Federal (STF).

Compartilhe esta notícia no WhatsApp

Compartilhe esta notícia no Telegram

Publicidade

De acordo com o Ministério Público do Trabalho (MPT), até o dia 16 de maio foram recebidas 3.477 denúncias de assédio eleitoral pelo órgão, com um total de 2.472 investigadas, 787 investigações ativas e 84 ações ajuizadas na Justiça. A região Sudeste foi a que registrou mais casos.

Assédio eleitoral como uma 'praga'

Essa praga que renasceu precisa ser combatida. E esse acordo irá reforçar o combate de forma preventiva para demonstrar que nas eleições do ano que vem não haverá isso. E as pessoas serão punidas. E%2C se precisar%2C de forma repressiva. A Justiça Eleitoral dará o suporte necessário para impedir essa prática.

(Alexandre de Moraes, presidente do TSE e ministro do STF)

Segundo o MPT, o assédio eleitoral consiste em uma conduta abusiva que atenta contra a dignidade do trabalhador, submetendo-o a constrangimentos e humilhações, com a finalidade de obter o engajamento da vítima em relação a determinadas práticas ou comportamentos de natureza política durante as eleições, com promessas de vantagens ou ameaças de prejuízo.

Publicidade

Leia também

As práticas mais denunciadas foram as demissões por causa do posicionamento político e o incentivo à participação em bloqueios de vias públicas ou em atos contra a democracia, especialmente após a derrota do presidente Jair Bolsonaro (PL) e a eleição de Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Entre as sanções previstas contra quem comete assédio eleitoral estão principalmente as multas, cujo valor varia de acordo com o caso.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.