Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Brasília
Publicidade

'Clima favorável para votação', diz Alckmin sobre PEC da Transição enviada ao Senado; entenda o texto

Proposta de Emenda à Constituição apresentada ao Congresso Nacional nesta quarta-feira (16) retira três itens do teto de gastos

Brasília|Camila Costa, do R7, em Brasília

Geraldo Alckmin durante apresentação da PEC da Transição no Senado, nesta quarta-feira (16)
Geraldo Alckmin durante apresentação da PEC da Transição no Senado, nesta quarta-feira (16) Geraldo Alckmin durante apresentação da PEC da Transição no Senado, nesta quarta-feira (16)

O vice-presidente eleito, Geraldo Alckmin (PSB), disse que "acredita que há clima favorável para votação" da PEC da Transição, medida elaborada pela equipe do novo governo para permitir o cumprimento de promessas de campanha do presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

A afirmação foi feita durante a apresentação do texto ao Congresso Nacional, na noite desta quarta-feira (16).

"É uma proposta de projeto, para que a Câmara e o Senado possam analisar. Em resumo, ela retira do teto de gastos o Bolsa Família e permite investimentos para o meio ambiente e a educação. Investimento gera emprego, reduz o custo Brasil e melhora a logística e a competitividade", afirmou Alckmin, que é o coordenador-geral da equipe de transição.

Leia também

"O valor que existe hoje não consegue sequer preservar rodovias nem continuar obras já iniciadas. Trouxemos uma proposta que não tem prazo, e agora cabe ao Congresso estabelecer", acrescentou o vice-presidente eleito.

Publicidade

A declaração de Alckmin sobre "prazo" é referente ao tempo de duração da PEC. O relator-geral do Orçamento, senador Marcelo Castro (MDB-PI), já declarou que seria inviável ter uma PEC de curta duração ou com prazo de vencimento, e sugeriu que o Congresso aprove uma PEC "perene".

Alckmin foi mais discreto e preferiu deixar essa decisão nas mãos dos parlamentares. Fontes ouvidas pelo R7 afirmaram que esse é, justamente, o ponto de embate entre a equipe de transição do novo governo e parlamentares.

Publicidade

O que diz a PEC

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) retira três itens do teto de gastos:

• o Auxílio Brasil (que voltará a se chamar Bolsa Família), o que abre um saldo de R$ 175 bilhões para o benefício;

Publicidade

• o excedente de arrecadação, que cria um espaço fiscal de até R$ 22 bilhões para uso em investimentos;

• as doações para universidades, que excepcionalizam o uso das próprias receitas para investimentos em educação e meio ambiente.

Articulador da PEC de Transição, o senador Wellignton Dias (PT-PI) afirmou que a meta é alcançar mais investimentos para o país. "Começar 2023 com 1% do PIB. Hoje, temos 0,22%. Nesse item, colocamos condição, e somente se houver excedente de receita, esse valor que é usado para pagar dívida, que seja excepcionalizado para investimentos, tendo como base o ano de 2021. Teríamos uma fatia para investimento e outra para o social", justifica o senador.

A previsão da equipe de transição é fazer as articulações em torno da aprovação da PEC até a próxima segunda (21).

Votos necessários

Para a aprovação de uma PEC, é necessário o aval de três quintos dos senadores (49 dos 81 votos possíveis) e dos deputados (308 votos entre 513), em dois turnos de votação. O governo Lula pretende ainda discutir mudanças definitivas nas regras do teto de gastos, mas esse debate deve ser travado após a posse, em 1º de janeiro de 2023.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.