Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Embaixada alemã reforça crítica a fala de Lula que compara conflito em Gaza com Holocausto

Presidente voltou a dizer na última sexta-feira que ação militar do Exército de Israel na Faixa de Gaza é 'genocídio'

Brasília|Natalie Machado Bueno, da RECORD

Lula voltou a criticar Israel por ações em Gaza
Lula voltou a criticar Israel por ações em Gaza Lula voltou a criticar Israel por ações em Gaza (Reprodução | RECORD)

A embaixada da Alemanha no Brasil reforçou o posicionamento contra o comentário de Luiz Inácio Lula da Silva que compara o conflito contra grupo terrorista Hamas ao extermínio de judeus pelos nazistas. A missão diplomática afirmou que o governo alemão lamenta a morte dos civis em Gaza. O posicionamento da missão diplomática foi confirmado à RECORD nesta segunda-feira (26). 

Lula voltou a dizer, na última sexta-feira (23), que a ação do Exército de Israel na Faixa de Gaza é um "genocídio". "O que o governo de Israel está fazendo não é guerra, é genocídio porque está matando mulheres e crianças”, afrmou.

O presidente recomendou que ninguém tentasse interpretar sua declaração do último dia 18 e pediu para que todos a lessem a entrevista "em vez de ficar o julgando pelo que disse o primeiro-ministro de Israel".

A declaração de Lula foi dada durante entrevista coletiva realizada depois da participação do presidente na 37ª Cúpula de Chefes de Estado e Governo da União Africana, em Adis Abeba, capital da Etiópia. “O que está acontecendo na Faixa de Gaza, com o povo palestino, não existiu em nenhum outro momento histórico. Aliás, existiu. Quando Hitler decidiu matar os judeus."

Publicidade

Após as declarações, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, criticou o presidente e descreveu suas palavras como vergonhosas e graves. Lula passou a ser considerado "persona non grata" em Israel até se desculpar pelo comentário. Isso quer dizer que o presidente brasileiro não é bem-vindo em Israel até se retratar.

Após uma reunião com diversos membros do governo no Palácio da Alvorada, Lula decidiu chamar de volta o embaixador do Brasil em Tel Aviv, Frederico Meyer, para consultas. O ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, convocou o embaixador de Israel no Brasil, Daniel Zonshine, para um encontro.

Publicidade

O presidente de Israel, Isaac Herzog, foi às redes sociais para dizer que condena veementemente a declaração de Lula. Herzog disse que há uma "distorção imoral da história" e apela "a todos os líderes mundiais para que se juntem a mim na condenação inequívoca de tais ações".

Entidades e organizações também criticaram a declaração de Lula. A Conib (Confederação Israelita do Brasil) repudiou a fala. A instituição classificou a afirmação como "distorção perversa da realidade que ofende a memória das vítimas do Holocausto e de seus descendentes".

Publicidade

"Os nazistas exterminaram 6 milhões de judeus indefesos na Europa somente por serem judeus. Já Israel está se defendendo de um grupo terrorista que invadiu o país, matou mais de mil pessoas, promoveu estupros em massa, queimou pessoas vivas e defende em sua Carta de fundação a eliminação do Estado judeu", diz a Conib.

O presidente do Yad Vashem (o memorial do Holocausto em Jerusalém), Dani Dayan, afirmou que a declaração do presidente Luiz Inácio Lula da Silva de ações de Israel em resposta ao grupo terrorista Hamas ao nazismo é uma "escandalosa combinação de ódio e ignorância". Dayan disse que, segundo a definição da IHRA (Aliança Internacional para a Memória do Holocausto), as falas do chefe do Executivo brasileiro são "clara expressão antissemita".

"Comparar um país que luta contra uma organização terrorista assassina com as ações dos nazis no Holocausto merece toda a condenação. É triste que o presidente do Brasil desça a um ponto tão baixo de extrema distorção do Holocausto", escreveu nas redes sociais.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.