Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Ligado a Lira, futuro presidente da Caixa anunciado por Lula foi ministro interino no governo Dilma

Carlos Fernandes foi secretário-executivo dos ministérios das Cidades e da Integração Nacional na gestão da petista

Brasília|Ana Isabel Mansur, do R7, em Brasília

Vieira também foi presidente da Funcef
Vieira também foi presidente da Funcef Vieira também foi presidente da Funcef

Ligado ao presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), o economista Carlos Antônio Vieira Fernandes, que vai assumir a presidência da Caixa Econômica Federal, foi ministro interino em duas pastas durante a gestão da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). Ele foi anunciado por Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nesta quarta-feira (25), após a demissão de Rita Serrano do cargo.

Fernandes foi secretário-executivo dos ministérios das Cidades e da Integração Nacional na gestão de Dilma entre fevereiro de 2015 e abril de 2016. Na pasta das Cidades, o novo presidente da Caixa atuou entre novembro de 2013 e fevereiro de 2015.

Compartilhe esta notícia no WhatsApp

Compartilhe esta notícia no Telegram

Continua após a publicidade

Em agosto de 2020, ao ser sabatinado por deputados distritais na Câmara Legislativa do DF (CLDF) para assumir o cargo de diretor-presidente da BRB Crédito Financeiro e Investimentos, Fernandes declarou não ter vinculação a nenhum partido. "A minha dedicação não está vocacionada apenas na minha experiência, mas sim no que vejo de tão positivo e profícuo que está sendo construído nessa instituição", disse à época.

Funcionário de carreira da Caixa desde 1982, ele chegou a assumir a superintendência regional do banco na Paraíba, estado onde nasceu, por seis anos. O futuro presidente da estatal tem 62 anos e é formado em economia e estudos sociais. Ele já foi presidente do Conselho de Administração da Companhia Brasileira de Transportes Urbanos (CBTU) e da Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre SA (Trensurb).

Continua após a publicidade

Disputas

Na nota de demissão de Rita Serrano, o Palácio do Planalto destacou que ela cumpriu a missão de recuperação da gestão e da cultura interna da Caixa, com a valorização dos funcionários e a retomada do papel do banco em políticas sociais, "ampliando os financiamentos para habitação, infraestrutura e agronegócio".

No fim de setembro, Rita Serrano declarou que a discussão sobre uma eventual saída do posto era respondida com "muito trabalho". "Desde que assumi, a única orientação que o presidente Lula me deu até então é para continuar trabalhando. O número que demos hoje mostra o resultado desse trabalho, que é da Caixa, mas orientado pelo governo federal. A Caixa atingiu a marca histórica de carteira de R$ 700 bilhões em habitação. Então, todo esse debate é respondido com trabalho", afirmou à época, quando questionada sobre a pressão para deixar o cargo.

Continua após a publicidade

Dois dias antes da declaração da então presidente da Caixa, Lula afirmou que possíveis mudanças na instituição, para dar mais espaço ao centrão, não deveriam ocorrer "por enquanto". Os partidos que compõem o grupo têm cobrado mais presença em ministérios e órgãos públicos de maior visibilidade a fim de garantir governabilidade ao presidente em votações no Congresso Nacional.

A pressão levou Lula a trocar os titulares em duas pastas, no início de setembro. Os deputados federais André Fufuca (PP-MA) e Silvio Costa Filho (Republicanos-PE) agora são, respectivamente, ministros do Esporte e de Portos e Aeroportos.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.