Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Brasília
Publicidade

Lira vai recorrer do parecer do MP para arquivar processo contra Felipe Neto

Parecer do Ministério Público afirmou que influenciador não cometeu crime ao chamar o presidente da Câmara de ‘excrementício’

Brasília|Hellen Leite, do R7, em Brasília

Arthur Lira aciona Polícia Legislativa contra Felipe Neto (Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados)

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), vai recorrer do parecer do MPF (Ministério Público Federal) que pediu o arquivamento do processo criminal contra o influenciador e youtuber Felipe Neto depois de ele ter chamado o parlamentar de “excrementíssimo” durante uma sessão sobre a regulamentação das plataformas digitais. Em nota, a assessoria do deputado afirmou que o recurso será enviado para a Câmara de Coordenação e Revisão do MPF.

No parecer, o procurador Carlos Henrique Martins Lima citou o direito à liberdade de expressão e destacou que Lira ocupa um cargo público.

“Sendo a vítima titular do cargo público de deputado, é natural que, por vezes, sob certas circunstâncias, receba críticas depreciativas, mas que, sopesadas no contexto em que se inserem, não alcançam o limite de serem classificadas como delituosas.”

Veja mais

Em seguida, o procurador afirmou que “as palavras duras dirigidas ao deputado, conquanto configurem conduta moralmente reprovável, amoldam-se a ato de mero impulso, um desabafo do investigado, não havendo o real desejo de injuriar ou lesividade suficiente.

Publicidade

Felipe Neto comemorou a decisão nas redes sociais. “O procurador deixou claro que não houve crime. Enfrentaremos toda tentativa de silenciamento”, afirmou.

Nas redes sociais, Lira chamou o youtuber de “mal-educado” e disse que ele usou o debate para “escrachar e ganhar mídia e likes”. “Uma crítica constante sobre as redes sociais é a falta de civilidade, respeito e educação de muitos que a utilizam. Confunde-se liberdade de expressão com o direito a ofender, difamar e injuriar”, disse o parlamentar.

Publicidade

Durante a sessão desta terça-feira (23), Felipe Neto fez o comentário ao discursar sobre o projeto de lei das fake news e redes sociais. O influenciador afirmou que Lira teria “triturado” a matéria. “É preciso que a gente fale mais com o povo, é preciso que a gente convide mais o povo para participar. Como o Marco Civil da internet brilhantemente fez. E é preciso, fundamentalmente, que a gente altere a percepção em relação ao que é um projeto de lei como era o 2630, né? Que foi infelizmente triturado pelo excrementíssimo Arthur Lira.”

Felipe disse nas redes sociais que a intenção do comentário foi “fazer piada com a palavra “excelentíssimo”, uma opinião satírica, jocosa, evidentemente sem intenção de ofensa à honra”.

Publicidade

O youtuber comentou que as ações e “inações” de Lira seriam “em grande parte nocivas e extremamente reprováveis”. O crime de injúria tem uma pena de um a seis meses de reclusão ou multa, podendo ter a pena aumentada em um terço caso cometida contra um funcionário público ou contra os presidentes do Senado Federal, da Câmara dos Deputados ou do Supremo Tribunal Federal.

Felipe Neto (Reprodução/redes sociais)


Confira a íntegra da nota publicada por Felipe Neto nas redes sociais:

“Acabo de saber que o presidente da Câmara dos Deputados acionou a polícia contra mim.

Confesso que achei curioso, uma vez q o próprio Arthur Lira disse hoje: “Parlamentar ser chamado para depor na PF porque disse que ministro é isso ou aquilo na CPI é exagerar um pouco”.

Não tenho opinião sobre a pessoa Arthur Lira, não o conheço. Como parlamentar, minha opinião é clara: suas ações e inações são em grande parte nocivas e extremamente reprováveis.

Minha intenção, ao citar “excrementíssimo”, foi claramente fazer piada com a palavra “excelentíssimo”, uma opinião satírica, jocosa, evidentemente sem intenção de ofensa à honra.

Já sofri tentativas de silenciamento com o uso da polícia antes, inclusive pela família Bolsonaro.

Continuarei enfrentando toda essa turma enquanto me sobrarem forças. E eu nunca falei que os enfrentaria com flores, nem assim o fiz e nunca o farei.”

Regulamentação das redes sociais

O projeto de lei sobre a regulamentação das redes sociais prevê regras de uso, gestão e punições no caso de divulgação de informações falsas. O texto estabelece prisão de um a três anos e multa a quem promover ou financiar a disseminação em massa de mensagens que contenham “fato que se sabe inverídico” e que possa comprometer a “higidez” do processo eleitoral ou causar dano à integridade física de agentes públicos.

A proposta prevê que as plataformas publiquem relatórios semestrais de transparência com informações sobre a moderação de conteúdo falso. Outro ponto é um capítulo específico sobre segurança infantil. O texto obriga as plataformas a estabelecer níveis de proteção de dados, impedir o acesso a determinados serviços e proibir o uso dos dados desse público para a criação de conteúdos personalizados.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.