Brasília Lula rebate crítica de ator de Hulk por falta de metas em debate sobre desmatamento

Lula rebate crítica de ator de Hulk por falta de metas em debate sobre desmatamento

Presidente respondeu que compromissos estabelecidos até o momento são o ponto de partida para objetivos mais ambiciosos

  • Brasília | Do R7, com informações da Agência Estado

Presidente Lula e Mark Ruffalo

Presidente Lula e Mark Ruffalo

Ricardo Stuckert/PR - Redes sociais

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) usou as redes sociais, neste domingo (13), para responder ao ator hollywodiano Mark Ruffalo pelas críticas sobre a ausência de "metas concretas" na Declaração de Belém, aprovada na última semana durante a Cúpula da Amazônia. Lula disse ao artista que interpreta o personagem Hulk nos cinemas que os compromissos estabelecidos no fórum são "o ponto de partida para a construção de um consenso em torno da proteção da Amazônia".

"Ao reunir os países da região Amazônica, e iniciarmos uma aliança com os dois Congos e a Indonésia, um grupo que junto detém quase 80% das florestas tropicais do mundo, estamos dando mais um passo rumo a uma agenda comum de preservação de ecossistemas fundamentais para o clima e a biodiversidade do planeta", escreveu o presidente em sua conta oficial na plataforma X, antes chamada de Twitter.

Na última quinta-feira (10), Ruffalo mencionou Lula em um publicação no X, na qual escreveu que o presidente brasileiro é um de seus heróis, mas que estava de "coração partido" pela falta de concretude dos objetivos estabelecidos pelos oito países amazônicos que participaram da cúpula na região Norte do país. "A emergência para proteger a Amazônia é uma emergência climática — e nós não temos tempo a perder", escreveu o ator.

Ao criticar os resultados do encontro de líderes de países amazônicos, Ruffalo usou como exemplo de sucesso as ações do presidente colombiano Gustavo Petro. "A Colômbia, sob comando de Petro, é a primeira nação amazônica a seguir o que a ciência recomenda — a meta de proteger 80% da floresta até 2025, e um pedido para interromper a extração de petróleo na Amazônia", disse o ator.

A Declaração de Belém, criticada por Ruffalo, é um protocolo de metas assinado por países membros da Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (Octa), da qual fazem parte Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, Guiana, Peru, Suriname e Venezuela. O documento não colocou o desmatamento zero como meta nem elencou o fim da exploração do petróleo na região como horizonte. Esses pontos geraram críticas de especialistas e ambientalistas pela falta de ambição das propostas em frear o desmatamento e a exploração de recursos naturais na região.

A essas e outras críticas endossadas pelo ator que interpreta o Hulk nos filmes produzidos pela Marvel, Lula escreveu que "proteger a floresta é realmente um desafio imenso" e que a cúpula "foi um passo a mais em uma trajetória para transformar a região com um modelo que combina desenvolvimento sustentável e preservação ambiental".

Lula ainda usou a publicação para criticar a política ambiental do governo Jair Bolsonaro e apresentar algumas de suas realizações na região amazônica em oito meses de mandato, a redução em 33% do desmatamento na floresta durante o primeiro semestre deste ano. "A vitória nas eleições de 2022 foi fundamental para acabar com a anarquia e promoção de crimes ambientais na região pelo governo anterior. O povo brasileiro se manifestou de forma soberana pelo fim da destruição da Amazônia", escreveu.

Últimas