Logo R7.com
Logo do PlayPlus
R7 Brasília
Publicidade

Programa oferece acolhimento temporário para crianças e adolescentes no DF

Projeto vai beneficiar 65 crianças; acolhimento familiar é temporário e não deve ser confundido com adoção

Brasília|Fabíola Souza, do R7, em Brasília

Projeto destina crianças a um lar provisório
Projeto destina crianças a um lar provisório Projeto destina crianças a um lar provisório

A Promotoria de Justiça de Defesa da Infância e da Juventude do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) fará na próxima segunda-feira (29), às 16 horas, a quinta edição do Projeto Ninho. O evento online tem como objetivo orientar e atrair famílias que estão dispostas a acolher crianças de até 6 anos afastadas do convívio familiar por medida judicial. A ação é voltada a moradores do Gama, Recanto das Emas, Samambaia e Santa Maria.

O acolhimento familiar é temporário e não deve ser confundido com adoção, pois é um período de transição para que o acolhido volte para a família de origem ou possa ser encaminhado para uma família definitiva por meio da adoção.

Compartilhe esta notícia no WhatsApp

Compartilhe esta notícia no Telegram

Publicidade

Leia mais: Justiça do DF registra aumento de 45% na entrega voluntária de crianças para adoção

A ação é uma parceria com a Secretaria de Desenvolvimento Social do DF que, após a ampliação no número de vagas, passa a beneficiar 65 crianças. Os interessados que quiserem participar da palestra deverão preencher um formulário de inscrição disponível no site da Secretaria de Desenvolvimento Social. Os participantes receberão certificado emitido pelo MPDFT.

Publicidade

Entenda

Lançado em 2019, o Projeto Ninho incentiva famílias a acolherem temporariamente crianças em situação de vulnerabilidade com direitos violados ou ameaçados, tanto por ação ou omissão do Estado, dos pais ou responsáveis quanto pela própria conduta. 

De acordo com a secretaria responsável pelo programa, as famílias interessadas devem preencher alguns critérios. São eles:

Publicidade

• o responsável precisa morar no Distrito Federal;

• ser maior de 18 anos;

• não estar inscrito no Cadastro Nacional de Adoção;

• ter disponibilidade afetiva e emocional e habilidade para ser cuidador;

• não ter antecedentes criminais.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.