Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Relatório paralelo da CPI do DF sugere indiciamento de Jair Bolsonaro e Mauro Cid; confira

Autor do texto, Fábio Felix avalia que relatório oficial do deputado Hermeto é 'sindicalista' e blinda cúpula da PM; veja íntegra

Brasília|Edis Henrique Peres, do R7, em Brasília

Cid e Bolsonaro estão na lista elaborada por Felix
Cid e Bolsonaro estão na lista elaborada por Felix Cid e Bolsonaro estão na lista elaborada por Felix

O deputado distrital Fábio Felix (PSOL) apresentou um relatório paralelo ao produzido pelo relator da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Atos Antidemocráticos da Câmara Legislativa do Distrito Federal, deputado Hermeto (MDB). O texto foi protocolado na Casa nesta quarta-feira (29), depois da apresentação do documento oficial, lido de manhã ao colegiado. Acesse aqui a íntegra.

A medida foi tomada, segundo Felix, devido à postura "sindicalista" do relator. Na avaliação do parlamentar, Hermeto poupou a cúpula da PM e os colegas de farda. "O relatório [oficial] traz encaminhamento sindical. Sendo que o próprio parlamentar [Hermeto] é da categoria [PM], ele isenta a corporação e desloca toda a culpa para a Secretaria de Segurança Pública [do DF]", diz Felix.

Hermeto decidiu não mencionar o ex-presidente entre as sugestões de indiciamento. No relatório paralelo, Felix menciona Bolsonaro como "o mentor intelectual e principal líder" dos atos do 8 de Janeiro. Ele recomenda o indiciamento do ex-presidente por golpe de Estado, associação criminosa e violência política. Outra recomendação de indiciamento pelos mesmos crimes é do ex-ajudante de ordens e tenente-coronel do Exército Mauro Cid.

Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu WhatsApp

Publicidade

Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp

Compartilhe esta notícia pelo Telegram

Publicidade

Assine a newsletter R7 em Ponto

O texto do deputado do PSOL também lista nas sugestões de indiciamentos Anderson Torres, ex-secretário de Segurança Pública do DF e ex-ministro de Justiça de Segurança Pública de Bolsonaro; general Carlos Feitosa, então secretário de Segurança e Coordenação Presidencial do Gabinete de Segurança Institucional (GSI); e general Augusto Heleno, ex-ministro do GSI de Bolsonaro.

Publicidade

Fábio Felix também cita o governador do DF, Ibaneis Rocha (MDB), embora não sugira o indiciamento do chefe do Palácio do Buriti. Na avaliação do parlamentar, Ibaneis "não atuou para defender o patrimônio público e os Poderes neles representados".

Veja abaixo outras sugestões de indiciamento do relatório paralelo:

Publicidade

• Coronel do Exército Jean Lawand Júnior;

General do Exército Gustavo Henrique Dutra;

• General do Exército Carlos José Russo Assumpção Penteado, então secretário-executivo do GSI;

General do Exército Carlos Feitosa Rodrigues, ex-secretário de Segurança e Coordenação Presidencial do GSI;

Anderson Gustavo Torres, ex-secretário de Segurança Pública do DF e ex-ministro da Justiça e Segurança Pública; 

• Fernando de Sousa Oliveira, ex-secretário-executivo de Segurança Pública do DF;

• Marília Ferreira Alencar, ex-subsecretária de Inteligência da Secretaria de Segurança Pública do DF;

• Os oficiais da PMDF Fábio Augusto Vieira, Klepter Rosa Gonçalves, Jorge Eduardo Barreto Naime, Paulo José Ferreira de Sousa Bezerra, Marcelo Casimiro Vasconcelos Rodrigues, Flávio Silvestre de Alencar e Rafael Pereira Martins;

• Os supostos financiadores e lideranças do movimento Adauto Lúcio de Mesquita e Joveci Xavier de Andrade;

George Washington e Wellington Macedo de Souza, condenados pela tentativa de explodir uma bomba no Aeroporto de Brasília;

• A blogueira bolsonarista Ana Priscila;

• O líder indígena José Acácio Serere Xavante;

• O extremista Armando Valentin Settin Lopes de Andrade.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.