Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

STF forma maioria para rejeitar recursos de suspeito de agredir filho de Moraes em Roma

Na semana passada, a Polícia Federal enviou ao Supremo um relatório no qual afirma que houve crime de injúria real 

Brasília|Gabriela Coelho, do R7, em Brasília

STF forma maioria para rejeitar recursos
STF forma maioria para rejeitar recursos STF forma maioria para rejeitar recursos (Reprodução)

O Supremo Tribunal Federal formou maioria para rejeitar recursos apresentados pelo empresário Roberto Mantovani Filho, suspeito de agredir o filho do ministro Alexandre de Moraes durante discussão no Aeroporto de Roma, na Itália, em julho do ano passado. A corte decide sobre o compartilhamento com a defesa do empresário as imagens que retratam suposta agressão ao ministro e à família dele. Além disso, é questionada decisão do ministro Dias Toffoli, que disponibilizou a íntegra da gravação, mas negou a extração da filmagem das câmeras de segurança.

Prevaleceu o voto do ministro Dias Toffoli. Para o ministro, é preciso preservar a “intimidade” dos envolvidos no caso. Toffoli foi seguido pelos ministros Gilmar Mendes, Cármen Lúcia, Edson fachin, Cristiano Zanin e Luiz Fux. O ministro Alexandre de Moraes se declarou impedido. 

Na semana passada, a Polícia Federal enviou ao STF um relatório no qual afirma que houve crime de injúria real cometido pelo empresário contra o filho do ministro Alexandre de Moraes. O tumulto envolveu a família do ministro em 14 de julho, quando o Moraes esteve na Itália com familiares para participar de uma palestra no Fórum Internacional de Direito, na Universidade de Siena. A PF, entretanto, descartou indiciamento.

Relembre o caso

Alexandre de Moraes estava com a família na Itália, onde deu uma palestra na Universidade de Siena, no Fórum Internacional de Direito. Os brasileiros o encontraram no aeroporto e teriam hostilizado o ministro e sua família com xingamentos e ofensas, em 14 de julho. Um deles teria agredido fisicamente o filho de Moraes, Alexandre Barci. Moraes conduziu o TSE durante as eleições de 2022 e é relator dos inquéritos sobre os ataques de 8 de janeiro às sedes dos Três Poderes.

Publicidade

Os três brasileiros foram abordados pela PF no desembarque no aeroporto de Guarulhos, em São Paulo. Os suspeitos estão sendo processados pelo ministro. Segundo o Código Penal, os crimes praticados por brasileiros no exterior ficam sujeitos à lei brasileira.

Moraes, a mulher dele e os três filhos do casal depuseram à Polícia Federal em 24 de julho. No depoimento, o ministro reafirmou as ofensas que ele e a família supostamente receberam dos suspeitos e teria relatado uma agressão a um dos filhos.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.