Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

Micros e pequenas empresas criam 1,1 milhão de empregos no país até setembro

O número representa 71% do 1,5 milhão de vagas geradas desde janeiro; agosto teve o melhor resultado, com 219.330 contratações

Economia|Agência Brasil

Micros e pequenas empresas criaram 1,1 milhão de vagas
Micros e pequenas empresas criaram 1,1 milhão de vagas Micros e pequenas empresas criaram 1,1 milhão de vagas

Micros e pequenas empresas responderam por 1,1 milhão (ou 71%) do total de 1,5 milhão de novos empregos formais gerados entre janeiro e setembro de 2023 no Brasil. Agosto e setembro foram os meses que apresentaram o saldo mais positivo, tendo registrado, respectivamente, 219.330 e 211.764 novas contratações com carteira assinada.

Os números constam do relatório divulgado nesta segunda-feira (6) pelo Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas), com base nos dados ajustados do Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados), apurado pelo MTE (Ministério do Trabalho e Emprego).

Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu WhatsApp

Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp

Publicidade

Compartilhe esta notícia pelo Telegram

Assine a newsletter R7 em Ponto

Publicidade

Segundo o Sebrae, das mais de 211 mil vagas geradas em setembro, 147.173 foram em micros e pequenas empresas (69,5% do total). Em agosto, pequenos negócios criaram 160.899 dos cerca de 219 mil novos empregos celetistas, o que corresponde a 73,17% do total de postos abertos no mês.

No acumulado do ano, empresas de médio e grande porte geraram 307,9 mil novas vagas, número que corresponde a 19,2% do cerca de 1,5 milhão de empregos criados entre janeiro e setembro de 2023.

Publicidade

O presidente do Sebrae, Décio Lima, avalia que os números positivos refletem a retomada da prosperidade do país.

Leia também

“A geração de empregos garante que o Brasil se torne novamente o país da empregabilidade, permitindo que o brasileiro volte a consumir e gerar renda”, disse, ao ressaltar que a economia está se fortalecendo, com um PIB (Produto Interno Bruto, a soma dos bens e serviços produzidos no país), em expansão, com o superávit da balança comercial e com a inflação controlada.

“O empreendedorismo é um dos caminhos para o país resgatar a dignidade e a inclusão social”, completou Lima.

Setor de serviços se destaca

Segundo o Sebrae, o setor de serviços foi o que mais contribuiu, em setembro, para a criação de postos de trabalho. “Considerando o universo das micros e pequenas empresas, foram 68,4 mil vagas preenchidas. Em segundo lugar aparece o comércio, com 37,3 mil novos postos de trabalho, seguido pela construção, com 19,8 mil empregos gerados”, detalha o levantamento.

“No acumulado de 2023, o cenário é o mesmo, com as micros e pequenas empresas liderando em termos de criação de vagas, com destaque nos setores de serviços (590,6 mil), construção (218 mil) e comércio (162 mil)”, continua o documento.

Entre as empresas de médio e grande porte, as principais contribuições de setembro vieram dos setores de serviços (26,5 mil), da indústria da transformação (24,4 mil) e do comércio (6.000). De janeiro a setembro, na soma dos resultados, o segmento de serviços acumula 177,6 mil vagas abertas por empresas médias e grandes; 90 mil foram da indústria da transformação, e 26 mil, da construção.

Atividades com mais vagas

De acordo com a CNAE (Classificação Nacional por Atividades Econômicas), as atividades de micros e pequenas empresas que mais criaram empregos formais em setembro foram as de restaurantes e outros estabelecimentos de serviços de alimentação e bebidas (11 mil postos de trabalho); e de construção de edifícios (6.600 novas colocações).

Entre as empresas de médio e grande porte, as atividades que mais se destacaram foram as de fabricação de açúcar bruto (16,7 mil empregos gerados), locação de mão de obra temporária (5.300) e limpeza em prédios e em domicílios (2.900).

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.