Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Publicidade

'O exterior está reconhecendo avanços do Brasil', diz Guedes

Nos EUA, ministro da Economia destaca atenção dos estrangeiros sob as óticas monetária, fiscal e democrática

Economia|Do R7

Guedes voltou a comparar a situação econômica do Brasil à dos países desenvolvidos
Guedes voltou a comparar a situação econômica do Brasil à dos países desenvolvidos Guedes voltou a comparar a situação econômica do Brasil à dos países desenvolvidos

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que o Brasil está conseguindo mudar a sua imagem no exterior e que o governo tem feito todo um trabalho em prol disso. Segundo ele, o cenário de "guerra" externa no início da gestão de Jair Bolsonaro faz parte do passado, e agora o Brasil tem sido reconhecido pelos seus avanços sob as óticas monetária, fiscal e democrática.

"Ao contrário do que falam, o Brasil não está malvisto no exterior. O exterior está reconhecendo avanços do Brasil em fiscal, monetária e democracia, e impressionado com o Brasil", disse Guedes nesta quinta-feira (14), após encerrar sua agenda nas reuniões anuais do FMI (Fundo Monetário Internacional).

Ele voltou a comparar a situação econômica do Brasil à de países desenvolvidos. Segundo Guedes, a história de que os emergentes reagiam depois e que tinham de aprender com as economias mais avançadas não é mais uma verdade.

Como exemplo, o ministro tem reforçado que as expectativas de inflação para o Brasil têm sido revisadas para baixo, e de crescimento, para cima neste ano. "O preconceito contra o Brasil está se dissolvendo", afirmou, e acrescentou que o Brasil abriu a sua economia, enquanto o mundo estava com medo.

Publicidade

O ministro comentou ainda os acordos com a Índia e Indonésia para avançar na questão ambiental. Segundo ele, o objetivo é fazer com que os outros países paguem o Brasil por serviços ambientais, ou seja, por manter suas florestas de pé. "O mundo vai nos pagar pela manutenção desses bens públicos", disse, e alegou que outros países desenvolvidos já demonstraram interesse nisso.

Sobre sua participação no G20, grupo que reúne as maiores economias do mundo, o ministro contou que o foco da reunião foi infraestrutura, finanças sustentáveis e impostos. Ele destacou ainda os pontos positivos da economia brasileira na ocasião.

Publicidade

Leia também

Já no café da manhã promovido pela Índia, na manhã desta quinta, a pauta predominante foi a inflação de alimentos e de energia, conforme Guedes. O ministro disse que o encontro foi uma espécie de troca informal de guarda. Isso porque a presidência do G20 está nas mãos da Indonésia e passará para a Índia no próximo ano.

O café organizado pela Índia teve a participação da alguns poucos países, entre oito e nove, de acordo com Guedes. Além do Brasil, os Estados Unidos foram representados pela secretária de Tesouro do país, Janet Yellen, e países como Arábia Saudita e Alemanha.

Publicidade

Guedes ainda teceu elogios à Índia e traçou um prognóstico positivo para o país. "O Brasil defende a Índia porque é democracia, com engrenagem que está funcionando bem, e um modelo ao mundo. A população da Índia será maior que a da China", disse.

Argentina

Paulo Guedes também afirmou que a reunião bilateral que teve com o seu homólogo argentino, Sergio Massa, foi pedida pela Argentina, que solicitou ajuda do Brasil para a obtenção de financiamentos. Ele negou que o assunto da reunião tenha sido a presidência do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e disse que, na verdade, a instituição deve ser central para que o país consiga o suporte financeiro que precisa para sair da atual crise.

Guedes afirmou que o Brasil já ajudou a Argentina com as negociações com o FMI. Na semana passada, o país chegou a um acordo com o organismo para mais um desembolso no valor de 3,8 bilhões de dólares, o que elevou as cifras totais para cerca de 17,5 bilhões de dólares. "A inflação está disparando na Argentina e continua subindo com muita força", disse o ministro brasileiro a jornalistas.

Guedes demonstrou ainda disposição para ajudar a Argentina, apesar de o governo atual ser de esquerda. "A gestão da Argentina não é alinhada politicamente conosco, mas estarem bem é bom para a região. Não podemos nos deixar contaminar por guerra política, normal em democracia", explicou.

Ao falar sobre os itens que interessavam ao Brasil na relação com o país vizinho, Guedes disse que a Argentina tem muito gás natural, o que pode beneficiar o país, que procura reindustrialização com energia barata. Ele citou ainda a possibilidade de facilitar exportações agrícolas com a Transperuana, o que encurtaria essas viagens em seis dias.

O ministro brasileiro voltou a defender uma moeda única para a América Latina: o peso-real. Na previsão de Guedes, de 10 a 15 anos o mundo terá cinco ou seis moedas únicas. Por causa disso, a região poderia ter a própria, o que ajudaria economias que perderam as suas divisas por crises. "Podemos criar uma moeda continental, e o Brasil seria a âncora da América Latina", afirmou.

Plataforma para o BID

Guedes reafirmou que não está pedindo apoio para o candidato do Brasil à presidência do BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento), mas que tem conversado informalmente sobre a plataforma que o Brasil defende para a instituição no âmbito das reuniões anuais do FMI.

Ele negou ainda que seja o nome que será indicado, mas não quis revelar quem seria o escolhido. Segundo Guedes, o Brasil deve recomendar um candidato à presidência do BID entre 10 e 15 dias. "Sou muito qualificado, mas não sou candidato à presidência do BID", afirmou a jornalistas.

Guedes voltou a criticar a indicação de Maurício Claver-Carone, que foi demitido do cargo após um escândalo ético, para liderar a instituição. "A experiência de botar um americano na presidência do BID não foi boa", disse.

Depois da demissão do antigo presidente, um processo foi aberto no mês passado para escolher um substituto para o cargo. O Brasil nunca deteve a presidência do BID. Guedes tem defendido que o candidato precisa ser qualificado e o mandato tem de ser de cinco anos, sem reeleição. "Informalmente, falo com pessoas influentes sobre a nossa plataforma para o BID. Eu não peço apoio", afirmou.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.