Logo R7.com
Logo do PlayPlus
Eleições 2022
Publicidade

Justiça do DF concede liminar que garante transporte público gratuito no 2º turno

Decisão do TJDFT é da tarde desta segunda-feira (24); a Secretaria de Mobilidade já tinha se posicionado contrária ao benefício

Eleições 2022|Luiz Calcagno, do R7, em Brasília

A Justiça do Distrito Federal concedeu uma liminar que obriga o governo a garantir a gratuidade do transporte público na capital durante o segundo turno das eleições deste ano, em 30 de outubro. A decisão é desta segunda-feira (24).

De acordo com o juiz do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios (TJDFT) Carlos Frederico Maroja de Medeiros, "a cidade deve prover mobilidade para os cidadãos, sobretudo no dia dedicado especialmente ao exercício do direito de participação democrática pelo voto".

Leia também

Para o magistrado, o Estado tem o dever jurídico de garantir a mobilidade e o voto no dia das eleições, sob o risco de causar "prejuízo direto ao voto" à parcela mais pobre da população "em decorrência do notório alto custo das passagens dos transportes públicos no Distrito Federal".

"Em face do exposto, defiro a liminar, para cominar ao Distrito Federal a obrigação de assegurar a todos os cidadãos o acesso gratuito a todos os modais de transportes coletivos públicos ao longo de todo o dia 30 de outubro de 2022, até o horário de encerramento da votação", afirmou o juiz. O magistrado determinou, ainda, que o governo fiscalize a circulação de ônibus para garantir mais veículos nas ruas em caso de necessidade.

Publicidade

Semob

A Secretaria de Transporte e Mobilidade (Semob) tinha se manifestado contrária ao benefício à população. Mas, de acordo com o chefe da pasta, Valter Casimiro Silveira, as empresas de ônibus e o Metrô estão sendo orientados para garantir o cumprimento da decisão.

Questionado sobre se o governo vai recorrer, ele disse que a Procuradoria é que vai avaliar. "Já estamos orientando as empresas a conceder transporte gratuito. Não há previsão contratual nem legislativa para conceder a gratuidade. Não tenho como remunerar as empresas pelo serviço, que tem um custo. Mas decisão judicial se cumpre", disse.

Últimas

Utilizamos cookies e tecnologia para aprimorar sua experiência de navegação de acordo com oAviso de Privacidade.